• Mulher tira foto dos filhos sem perceber 2ª cobra mais venenosa do mundo perto deles
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Mulher tira foto dos filhos sem perceber 2ª cobra mais venenosa do mundo perto deles

    A serpente era uma cobra marrom, responsável por 41% das mortes por picada no país

  • 'Vossa Excelência respeite os colegas', diz Toffoli a Barroso durante sessão no STF
    Notícias
    Folhapress

    'Vossa Excelência respeite os colegas', diz Toffoli a Barroso durante sessão no STF

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Na véspera do início do julgamento sobre prisões em segunda instância, tema que divide o Supremo Tribunal Federal, os ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes se desentenderam durante um debate no plenário sobre uma questão eleitoral. A corte analisava nesta quarta-feira (16) uma ação que contesta uma resolução do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que prevê que diretórios de partidos que não prestarem contas à Justiça Eleitoral tenham seu registro suspenso. Moraes votava acompanhando o relator da ação, Gilmar Mendes, pela improcedência da ação por considerar que caberia ao Congresso legislar sobre o tema. "Há uma música antiga, não tão antiga, 'Cada um no seu quadrado'", disse Moraes. "O nosso [quadrado] é interpretar a Constituição", interrompeu Barroso. "O Supremo, então, que declare inconstitucional a lei. Agora, não pode substituir a lei por uma resolução, por melhor que seja, do Tribunal Superior Eleitoral", continuou Moraes. "Essa crença de que dinheiro público é dinheiro de ninguém é que atrasa o país", disse Barroso, ao que Moraes replicou: "Essa crença de que o Supremo pode fazer o que bem entende, desrespeitando a legislação, também atrasa o país". Barroso então disse que estava manifestando sua posição. "Eu acho que o dinheiro público tem que ter contas prestadas", disse. O presidente do tribunal, ministro Dias Toffoli, interveio. "Isso é o que todos nós pensamos. Vossa Excelência respeite os colegas", disse Toffoli. Barroso respondeu ao presidente. "Eu sempre respeito os colegas. Estou emitindo minha opinião. Vossa Excelência está sendo deselegante com um colega que é respeitoso com todo o mundo. Eu disse apenas que a Constituição impõe o dever de prestação de contas." O julgamento sobre o tema eleitoral foi adiado por um pedido de vista de Barroso, que disse precisar de mais tempo para analisar o caso. Ao chegar para a sessão desta quarta, o ministro disse a jornalistas que espera que o Supremo mantenha o entendimento vigente que, desde 2016, autoriza a prisão de condenados em segundo grau, antes de esgotados todos os recursos. "Nós precisamos ter consciência de que não ingressaremos no grupo dos países desenvolvidos sem enfrentamento com determinação da corrupção. Ninguém respeita um país que os agentes públicos se consideram sócios do Brasil e têm participação indevida em todas as obras públicas, nos empréstimos, nos financiamentos, nas desonerações. Essa cultura que naturalizou as coisas erradas precisa ser enfrentada", disse Barroso.

  • Mulher confessa ter assassinado o marido e decepado o pênis dele
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Mulher confessa ter assassinado o marido e decepado o pênis dele

    Ela já havia registrado oito boletins de ocorrência contra ele por violência doméstica

  • 'Vai pra casa, vagabundo', diz Doria ao discutir com manifestantes
    Notícias
    Folhapress

    'Vai pra casa, vagabundo', diz Doria ao discutir com manifestantes

    TAUBATÉ, SP (FOLHAPRESS) - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), discutiu com manifestantes que apoiam o presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante evento em Taubaté, interior paulista, na noite desta terça-feira (15). Desde a chegada de Doria na avenida do Povo, onde aconteceu o evento, ao menos seis integrantes do grupo "Direita Taubaté" discursavam contra o governador. Munidos com um microfone e cartazes, os manifestantes gritavam: "Pinóquio", "Pinóquio do pau oco" e "Doria surfou na 'onda Bolsonaro'". "Vai pra casa, vagabundo! Vai comer sua mortadela com a sua mãe, seu sem vergonha", chegou a gritar o tucano em resposta. "Vai cobrar do Major Olímpio seus 'duzentinho' para vir aqui falar bobagem no microfone. Vai pra casa, aposentado", afirmou Doria, que participava do Feito em SP, uma competição que faz parte do programa SP Gastronomia. Por pelo menos três vezes durante sua fala, Doria se voltou contra o grupo, sempre citando o senador Major Olímpio, do PSL, partido de Bolsonaro.  O grupo de manifestantes também lembrou o "Bolsodoria", parceria eleitoral adotada por apoiadores do tucano no segundo turno da campanha no ano passado. Nos últimos meses, Doria se descolou de Bolsonaro, com quem trocou farpas. Os dois são apontados como possíveis adversários em uma campanha presidencial de 2022.  Logo no início do discurso no evento de Taubaté, em cima do palco montado no local, Doria mandou um recado para o grupo de manifestantes.  "Boa noite para o verdadeiro povo de Taubaté que trabalha. E não os que atrás de mortadela e dinheiro de Major Olímpio. Vai beijar o pé do Major Olímpio que perdeu as eleições de São Paulo pra mim". Doria foi defendido pelo prefeito de Taubaté, Ortiz Junior (PSDB), e pelo secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi.  "Aqui você tem um soldado briguento para te defender, governador. E vocês [manifestantes] vão chorar na cama que é lugar quente", discursou o prefeito de Taubaté. No evento, o governador divulgou parte de um investimento de R$ 15 milhões de um total de R$ 40 milhões para obras viárias em Taubaté -os outros R$ 25 milhões serão investidos pela prefeitura. No último dia 11, enquanto Bolsonaro foi recebido aos gritos de "mito" na formatura de sargentos da Polícia Militar em São Paulo, Doria foi alvo de vaias da plateia formada por familiares dos formandos. No mês passado, Bolsonaro afirmou à Folha que Doria é uma "ejaculação precoce". Já o governador passou a dizer que não é bolsonarista, embora tenha adotado o mote "Bolsodoria" para se eleger no segundo turno da eleição passada. No evento da PM no dia 11, a presença de Doria foi criticada pelo senador Major Olímpio. Ele se mostrou surpreso quando a imprensa o avisou da presença do governador. "Eu espero que não [venha], acho que Doria não vem. A ausência dele vai me alegrar", disse. O senador publicou em seu Twitter na ocasião o momento em que Doria era vaiado, enquanto Bolsonaro era aplaudido. Vídeo semelhante foi publicado por Carlos Bolsonaro, filho do presidente, com crítica velada a Doria.

  • Bebê enterrada viva
    AFP

    Bebê enterrada viva

    A bebê recém-nascida encontrada enterrada viva, na Índia, ‘passa bem’. Foi o que informaram os médicos, nesta quarta-feira. Estima-se que, em uma década, 12 milhões de abortos de fetos femininos já tenham sido realizados no país.

  • Líder norte-coreano passeia a cavalo e gera boatos
    Notícias
    AFP

    Líder norte-coreano passeia a cavalo e gera boatos

    Algumas imagens do líder norte-coreano Kim Jong Un montado em um cavalo branco passeando na neve do Monte Paektu, a montanha sagrada do país, localizada na fronteira com a China, provocaram rumores sobre um importante anúncio político nas próximas horas.

  • À espera do 'fim do mundo', família viveu 9 anos em porão na Holanda
    Notícias
    Yahoo Notícias

    À espera do 'fim do mundo', família viveu 9 anos em porão na Holanda

    Descoberta despertou muita curiosidade entre os moradores da região, pois ninguém conhecia ou sabia da presença desta família, cujos membros são todos adultos

  • Jovem negro foi fumar na praça e acabou preso pela PM suspeito de roubar carro
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Jovem negro foi fumar na praça e acabou preso pela PM suspeito de roubar carro

    Heverton Enrique Siqueira, 20 anos, foi levado ‘para averiguação’ na zona leste de SP e teria sido reconhecido depois que PM pediu que ele colocasse o capuz

  • Witzel propõe fechar acesso a favelas para combater roubo de cargas no Rio
    Notícias
    Folhapress

    Witzel propõe fechar acesso a favelas para combater roubo de cargas no Rio

    RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Fechar acessos a comunidades. A proposta integra um plano de combate ao roubo de cargas anunciado nesta quarta (16) pelo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), que acumula medidas polêmicas para refrear a crise na segurança pública do estado.  A iniciativa, prevista para o começo de 2020, seria uma aba do projeto Segurança Presente e agiria em "corredores das estradas e acessos onde tem entrada do roubo de cargas nas comunidades", disse Witzel. Ela "vai praticamente zerar e reduzir muito o dinheiro que financia o tráfico de armas e de drogas no nosso estado", continuou.  O governador, que se elegeu na garupa do bolsonarismo e hoje trava disputa velada com o presidente Jair Bolsonaro pela eleição de 2022, não detalhou como esse controle se daria. Mas, questionado sobre o plano apresentado num evento em Copacabana, disse que "não vai ter nenhum tipo de invasão na liberdade de  ir e vir de nenhum cidadão" que reside nesses locais.  O estado faria, afirmou, "o controle de veículos suspeitos" e, só se moradores da favela toparem, uma vigilância mais direta. "A comunidade é que tem que conversar conosco e dizer, ó, nós queremos controle", disse a jornalistas na saída de outro compromisso no mesmo dia. Esse seria um passo "muito importante", segundo Witzel, que comparou a hipótese com a inspeção feita em condomínios particulares "e num monte de lugar". O governador disse ainda que o programa poderá contar com uso de helicópteros e motos de alta velocidade para reduzir o roubo de cargas que, de acordo com ele, gera um prejuízo de mais de R$ 5 bilhões anuais.  Dados do ISP (Instituto de Segurança Pública) mostram que, de janeiro a agosto, o estado sofreu 5.277 crimes do tipo. Ao longo de todo 2018, 9.182 cargas foram roubadas. Um estudo da Firjan (federação de indústrias do Rio) revelou que, entre 2011 e 2016, houve mais de 97 mil crimes do tipo no país todo, com impacto superior a R$ 6,1 bilhões. Foi a bordo de um helicóptero usado pela Polícia Civil que Witzel testemunhou, em maio, agentes metralharem uma tenda de orações em Angra dos Reis (RJ), em maio. Confundiram-na com um ponto da "bandidagem" na qual o líder do Executivo fluminense prometia "botar fim".   O uso dessas aeronaves para disparar rajadas contraria uma normativa publicada em outubro pela extinta Secretaria de Segurança Pública do estado.  Três meses depois, o governador questionou a autenticidade de cartas escritas por crianças do Complexo da Maré que se diziam apavoradas com a violência policial na área. Muitas delas pediam que os helicópteros parem de dar tiros do alto. Witzel reforçou seu apoio ao uso dos veículos. "O desespero desses criminosos é porque, de helicóptero, chegamos rapidamente onde estão estocadas drogas e armas." Ainda na seara de controvérsias no campo da segurança pública: eleito governador, o ex-juiz defendeu que a polícia mirasse "na cabecinha e... fogo!" contra criminosos que empunhassem fuzis, ainda que não apresentassem risco imediato de abrir fogo contra alguém.  A oposição a seu governo reagiu à ideia de controlar acessos a comunidades. A deputada estadual Renata Souza (PSOL) foi uma das vozes críticas: para ela, o programa força um "apartheid no Rio" ao "reduzir, ainda mais, a péssima mobilidade de quem vive nas favelas".

  • Família britânica é detida nos EUA por cruzar 'por engano' fronteira com Canadá
    Notícias
    AFP

    Família britânica é detida nos EUA por cruzar 'por engano' fronteira com Canadá

    Um casal britânico e seu filho de três meses foram detidos há duas semanas por agentes de fronteira americanos, acusados de entrar ilegalmente nos Estados Unidos a partir do Canadá, apesar de a família garantir que foi um acidente.

  • Notícias
    Folhapress

    Jeremy Renner diz que ex-mulher era obcecada por sexo após ser acusado de tentar matá-la

    Jeremy Renner afirma que a ex-mulher Sonni Pacheco era obcecada por sexo e a acusa de guardar "nudes" enviados em momentos de intimidade

  • Alexandre Frota volta a atacar governo: 'Pabllo Vitar seria melhor ministra que Damares'
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Alexandre Frota volta a atacar governo: 'Pabllo Vitar seria melhor ministra que Damares'

    Deputado usou sua conta oficial no Twitter para atacar Damares Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos. Para isso, citou insatisfação da cantora Pabllo Vittar

  • Professora é presa e arrastada por policiais dentro de igreja no MT; assista
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Professora é presa e arrastada por policiais dentro de igreja no MT; assista

    De acordo com organizadores, a professora causou tumulto e confusão no local e, por isso, a polícia foi acionada

  • Menina é picada por escorpião e morre em SP; avó passa mal e falece ao tomar conhecimento
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Menina é picada por escorpião e morre em SP; avó passa mal e falece ao tomar conhecimento

    Avó e neta foram enterradas juntas no cemitério de Franco da Rocha na terça-feira (15)

  • Mãe que escondeu bebê no porta-malas é condenada a cinco anos de prisão na França
    Notícias
    AFP

    Mãe que escondeu bebê no porta-malas é condenada a cinco anos de prisão na França

    A justiça francesa condenou, nesta quarta-feira (16), a cinco anos de prisão uma mãe que escondeu durante dois anos seu bebê no porta-malas de um carro, o que deixou a criança com danos irreversíveis.

  • Tabata aponta 'massacre' e mira Ciro e Lupi em pedido de desfiliação do PDT
    Notícias
    Folhapress

    Tabata aponta 'massacre' e mira Ciro e Lupi em pedido de desfiliação do PDT

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) centrou queixas no ex-ministro Ciro Gomes e no presidente nacional do partido, Carlos Lupi, no processo judicial que iniciou nesta quarta-feira (16) para pedir desfiliação do partido. Na ação, os advogados da parlamentar reúnem críticas feitas a ela pelos líderes da sigla para requerer justa causa em seu pedido de saída da legenda. Tabata quer mudar de partido e manter o seu mandato -o que a legislação só permite em casos específicos. O processo afirma que ela vem sofrendo um "massacre" e "duras repressões" por parte da direção nacional do PDT desde que votou a favor da reforma da Previdência, em julho, contrariando a orientação do partido de rejeitar o projeto. Como resposta, a legenda considerou que ela incorreu em infidelidade partidária e abriu um processo contra ela e os outros sete parlamentares que desobedeceram ao fechamento de questão (voto obrigatório). Tabata foi suspensa das atividades partidárias e ainda pode ser expulsa. Na segunda-feira (14), ela anunciou durante o programa Roda Viva, da TV Cultura, que recorreria à Justiça para sair da sigla sem perder o mandato. No dia seguinte, em entrevista coletiva em Brasília, a pedetista e um grupo de outros sete deputados infiéis, do PDT e do PSB, confirmaram que entrariam com ações com o objetivo. A defesa de Tabata reuniu afirmações feitas por Ciro e Lupi na imprensa e em redes sociais para apontar que ela é vítima de perseguição no partido, uma das hipóteses previstas em lei para que o político deixe uma legenda sem perder a cadeira para a qual foi eleito. Para a deputada, os ataques "ultrapassaram os limites das regras democráticas de convivência partidária" e provocaram "graves ofensas à honra e dignidade" dela. A petição cita um post de Ciro em que o ex-presidenciável denuncia suposta "compra de votos" pelo governo, com dinheiro de emendas, para aprovar o texto. "Ao defender que o PDT expulse os que votarem 'contra o povo' na reforma da Previdência, Ciro Gomes coloca todos os parlamentares divergentes na posição de 'vendedores de voto', o que, além de inverídico, atinge frontalmente a honra dos envolvidos", diz a defesa de Tabata. A pedetista também lembrou no pedido afirmações de Ciro em que ele sugeriu a ela que fosse para o MBL (Movimento Brasil Livre), já que teria um perfil neoliberal. Ele acusou ainda a deputada de fazer "dupla militância", já que "ninguém pode servir a dois senhores". Nas queixas sobre o comportamento de Lupi, Tabata incluiu a fala do presidente em que ele se refere ao Acredito, movimento suprapartidário que ajudou a lançar a candidata, como "partido clandestino". A cúpula da legenda também atribuiu o voto da filiada à sua participação no RenovaBR, grupo privado de capacitação de candidatos. Tabata refutou a hipótese e disse que a iniciativa da qual foi aluna nada mais é do que uma escola de políticos, sem bandeiras ideológicas. Na petição, ela diz ser alvo de provocações e fake news. Também nega que o Acredito ou o "grande capital", vistos pelos superiores como influenciadores de seu voto, tenha determinado o posicionamento na votação. O PDT assinou em 2018 uma carta com o Acredito para filiar membros da organização. No documento, a sigla se comprometeu a resguardar "as autonomias política e de funcionamento" da entidade, bem como "a identidade do movimento e de seus representantes". Diante da Justiça, Tabata menciona o acordo para dizer que "o próprio PDT garantiu a autonomia política individual aos membros do movimento dentro do partido". "O papel desempenhado pelo PDT nesse episódio é deprimente e preconceituoso, atacando a moral da requerente [Tabata] de forma ardil, buscando fulminar sua imagem e seu nome através de factoides desarrazoados e inexistentes." Os advogados escreveram que a parlamentar tomou a decisão de dar sim ao projeto após "uma análise minuciosa e profunda do tema" e que ela "sempre deixou clara sua posição sobre a necessidade da reforma da Previdência". Para comprovar, eles juntaram na petição textos escritos por ela e entrevistas nas quais descrevia seu posicionamento sobre o assunto. Tanto Ciro quanto Lupi defenderam publicamente a saída de Tabata do partido depois da votação da Previdência. Para os dirigentes, a filiada agiu em desconformidade com o estatuto da legenda ao ajudar a aprovar uma medida que prejudica os pobres. Tabata alega que não desobedeceu à ordem do PDT de votar contra a reforma apresentada pelo governo Jair Bolsonaro (PSL), já que, em sua visão, o texto foi aperfeiçoado e suavizado na Câmara dos Deputados, tornando-se, ao fim, mais justo. A própria parlamentar foi responsável por apresentar emendas (modificações) no texto que, na sua avaliação, contribuíram para atenuar pontos antes prejudiciais aos trabalhadores. Na ação, a deputada ainda reclama de prejuízo à atuação parlamentar com sua retirada de comissões e do posto de vice-líder da bancada, punições previstas no estatuto do PDT para casos de infidelidade. Tabata sustenta que as normas internas preveem que processos como o dela devem ser concluídos em até 60 dias, mas que o procedimento está parado desde 17 de julho, quando ela foi suspensa. Para justificar a alegada discriminação, a deputada diz ser vítima de "intensa fritura pública" há mais de dois meses e estar "abandonada pela agremiação partidária à qual se filiou". "Se uma das partes foi infiel, foi o PDT, ao agir com clara finalidade de macular a imagem política da requerente [Tabata], divulgando inverdades e impropérios que afetaram sobremaneira a imagem e causaram dano moral irreparável a esta parlamentar." A deputada reclama ainda do que considera tratamento desigual do partido a ela, na comparação com o caso de Kátia Abreu (PDT-TO), que também votou a favor da reforma no Senado. A senadora, diferentemente de Tabata, não recebeu críticas públicas dos dirigentes da legenda.  "Enquanto uma deputada é massacrada [...] e alvejada por uma série de comentários inverídicos e vexatórios desferidos por representantes do partido, outra é tratada como se não tivesse praticado qualquer ato", afirmam os advogados de Tabata. Eles indagam se Kátia não será punida porque é "um grande quadro do partido" e perguntam se Tabata seria, portanto, uma "filiada de segunda classe". A ação foi protocolada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Tabata é representada pelo escritório Vilela Silva Gomes Miranda Advogados, que também entrou com ações em nome de outros cinco deputados federais que pleiteiam o mesmo que ela. A reportagem não conseguiu contato com o PDT na noite desta quarta para obter um posicionamento. Ciro tem dito que a decisão sobre Tabata cabe à comissão de ética do partido. Lupi afirmou em uma rede social na terça-feira que, "quando alguém se filia a um partido, deve entender suas origens, seus princípios e seu programa". "Nossa deliberação, nesse caso, foi coletiva. Mas há o apego ao mandato, nada mais velho na política", afirmou o dirigente, referindo-se à ação anunciada por Tabata.

  • Bolsonaro se reúne com Gilmar Mendes no Palácio do Planalto
    Notícias
    Folhapress

    Bolsonaro se reúne com Gilmar Mendes no Palácio do Planalto

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro Gilmar Mendes se reuniu nesta quarta-feira (16) com o presidente Jair Bolsonaro (PSL). Foi uma visita de cortesia —os dois já tinham se falado pessoalmente em duas outras oportunidades. O encontro ocorre um dia antes do início da votação no STF (Supremo Tribunal Federal) da ação que pode derrubar a prisão depois de condenação em segunda instância, o que pode levar à liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O magistrado diz que o assunto não foi abordado e que a conversa girou em torno de temas gerais do Judiciário.

  • ‘Eu me senti em um navio negreiro’, desabafa Preta Ferreira sobre a prisão
    Notícias
    Yahoo Notícias

    ‘Eu me senti em um navio negreiro’, desabafa Preta Ferreira sobre a prisão

    Em entrevista, Preta Ferreira, Sidney Ferreira, Liliane Ferreira e Carmen Silva falaram sobre as acusações arbitrárias e a criminalização dos movimentos por moradia

  • Vídeo supostamente mostra pilastras de prédio que desabou em péssimas condições; assista
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Vídeo supostamente mostra pilastras de prédio que desabou em péssimas condições; assista

    No vídeo são mostradas as estruturas de duas pilastras que seriam do edifício residencial, envoltas em sacos plásticos e com vigas de ferro à mostra

  • O cavalo branco de Kim
    AFP

    O cavalo branco de Kim

    Algumas imagens do líder norte-coreano Kim Jong Un montado em um cavalo branco passeando na neve do Monte Paektu, a montanha sagrada do país, localizada na fronteira com a China, provocaram rumores sobre um importante anúncio político nas próximas horas.

  • Iraque anuncia medidas de combate à corrupção que não afetam 'peixes graúdos'
    Notícias
    AFP

    Iraque anuncia medidas de combate à corrupção que não afetam 'peixes graúdos'

    O Iraque multiplicou os anúncios e as comissões de combate à corrupção, mas, até o momento, as medidas apontam para "peixes miúdos" e evitam os "graúdos", em um dos países mais corruptos do mundo.

  • PSDB, DEM e NOVO votam contra LGBTs no ministério de Damares
    Notícias
    Yahoo Notícias

    PSDB, DEM e NOVO votam contra LGBTs no ministério de Damares

    Proposta elaborada por Paulo Pimenta (PT-RS) queria responsabilizar pasta de Damares por políticas públicas para população LGBT

  • O dia em que um jovem não-binário se tornou a rainha do baile em escola nos EUA
    Notícias
    HuffPost Brasil

    O dia em que um jovem não-binário se tornou a rainha do baile em escola nos EUA

    Mas esta nao foi a primeira vez que ele concorreu ao premio

  • Exames indicavam gêmeos, mas mãe recebeu apenas um bebê após o parto; Polícia investiga
    Notícias
    Yahoo Notícias

    Exames indicavam gêmeos, mas mãe recebeu apenas um bebê após o parto; Polícia investiga

    Caso misterioso aconteceu no interior de Goiás; mãe diz que tem esperança de encontrar segundo filho

  • #Verificamos: Vídeo de Lindbergh Farias no Vidigal não mostra ‘flagra’ de compra de drogas
    Notícias
    Yahoo Notícias

    #Verificamos: Vídeo de Lindbergh Farias no Vidigal não mostra ‘flagra’ de compra de drogas

    Agência Lupa verificou a informação de que o ex-senador Lindbergh Farias foi flagrado em vídeo comprando drogas no Morro do Vidigal