À CPI servidor menciona que colega citou pedido de propina por vacinas dentro da Saúde

·1 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF, 25.06.2021 - CPI-COVID-DF: Deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) - O servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda e seu irmão, o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF), prestam depoimento aos senadores na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investiga os atos do governo federal, sobre a gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), no combate à pandemia da Covid-19. Os irmãos denunciaram um esquema de corrupção na compra de vacinas Covaxin e serão ouvidos pelos senadores da CPI. O presidente da comissão, Omar Azis (PSD-AM) e o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), conduzem a sessão no Senado Federal, em Brasília, nesta sexta-feira. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 25.06.2021 - CPI-COVID-DF: Deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) - O servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda e seu irmão, o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF), prestam depoimento aos senadores na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investiga os atos do governo federal, sobre a gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), no combate à pandemia da Covid-19. Os irmãos denunciaram um esquema de corrupção na compra de vacinas Covaxin e serão ouvidos pelos senadores da CPI. O presidente da comissão, Omar Azis (PSD-AM) e o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), conduzem a sessão no Senado Federal, em Brasília, nesta sexta-feira. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O deputado Luís Miranda (DEM-DF) mostrou à CPI da Covid print de uma conversa com o irmão, servidor Luis Ricardo, que relata uma conversa com um colega de trabalho, segundo o qual havia pedido de propina de uma pessoa que vendia vacinas.

O diálogo ocorreu em 20 de março deste ano.

"Aquele rapaz que me procurou dizendo que tem vacina. Disse que não assinaram porque os caras cobraram dele propinas para assinar o contrato. Vou perguntar se ele tem provas", disse o servidor público ao irmão deputado por mensagem.

Em seguida, Luís Ricardo relatou ter recebido "mais uma ligação" pedindo para acelerar o trâmite de importação da vacina. O telefonema partiu do coordenador dele, segundo ele relatou.

Miranda recomendou que ele avisasse a PF.

Depois, enviou o print de uma conversa no qual ele se dirige a um homem chamado de "Diniz", no qual pede para que ele avisasse o "PR" [presidente da República] que está rolando um esquema de corrupção pesado na aquisição de vacinas dentro do Min da Saúde", como o próprio deputado já havia relatado ao jornal Folha de S.Paulo.

O servidor foi questionado pelo presidente da CPI da Covid, Osmar Aziz (PSD-AM), sobre o nome de quem relatou o suposto pedido de propina e Luís Ricardo disse apenas que o nome dele é "Rodrigo".

"O ministério estava sem vacina e o Rodrigo, servidor, disse que o rapaz vendia vacina e alguns gestores estavam pedindo propina", relatou Luis Ricardo à CPI.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos