Às vésperas do aniversário do Cristo Redentor, católicos fazem vigília de oração no alto do Corcovado

·2 minuto de leitura

RIO - A tradição se repete todos os anos. Católicos de várias paróquias do Rio de Janeiro, se reúnem de madrugada em oração, para celebrar o aniversário do Cristo Redentor, em meio a orações, muito café para espantar o sono e driblar o frio no alto do do Corcovado. Mas com novidades em 2021. Em anos anteriores, a vigília (das 23h às 6 h) ocorria apenas do dia 11 para 12 de outubro. Este ano, a celebração na capela de Nossa Senhora Aparecida ocorre durante um mês inteiro. A ideia de estender a programação foi do padre Omar Raposo, como uma forma de reforçar a presença da Igreja no Corcovado, de preferencia com fiéis 24 horas por dia, depois que ele e convidados de um batizado foram barrados em uma guarita de acesso fiscais do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (BioRio), em setembro.

As vigílias ficam disponíveis no YouTube. O teólogo Alexandre Pinheiro, coordenador do Núcleo de Acervo e Memória do Cristo, diz que os fiéis não seguem um roteiro pré-definido nessas vigílias.

— No máximo, cada vigília reúne 20 pessoas. Nessas cerimônias podem ter atividades como missas, rezas de terços e vigílias. Tem gente que circula pelo monumento em alguns momentos, admirando a paisagem e tirando fotos. Mas independente disso, durante a vigília, sempre há um fiel na capela — diz Pinheiro.

Moradora de Anchieta, a advogada Aline Dias Moraes, de 36 anos, virou duas noites no Cristo Redentor, que define a experiência como um momento de espiritualidade e paz:

— Permanecer em vigília no Cristo é muito mais do que passar a noite em um local sagrado. É um verdadeiro presente para nós. Ao amanhecer, ver a cidade do Rio de Janeiro em cima de monte sagrado reforça minha convicção que Deus é o criador de tudo — diz Aline.

A missionária católica Ingrid Lima, de 30 anos, diz que o momento é especial:

— Passar a noite aqui em cima é uma forma especial de celebrar os 90 anos para quem tem fé— diz Ingrid.Os fieis chegam e deixam o monumento em uma van alugada pela Arquidiocese. Conforme o endereço dos fiéis, é um trabalho que pode consumir de quatro a seis horas diárias (conforme o bairro em que os fiéis moram). As curvas para o Cristo na escuridão da Estrada das Paineiras, são bem conhecidas pela motorista Dagmar Santos, moradora de Santa Teresa, que trabalha no transporte dos fiéis junto com o irmão. Há três anos, eles prestam serviços à Igreja:

— As pessoas se dizem gratas e vêm demonstrar isso nas vigílias —disse Dagmar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos