Às vésperas do Natal, veja dicas para economizar na hora de fazer a ceia

EXTRA
·3 minuto de leitura
Foto: Gabriela Maria/divulgação

Um levantamento de preços realizado pelo Procon Estadual do Rio com produtos que compõem a ceia de Natal mostrou diferença de mais de 50% nos valores dependendo do estabelecimento. Os preços foram coletados em lojas físicas e online de supermercados do município do Rio. Encontrou-se uma variação de até 26,93% no azeite de oliva, de 44,19% no chester, 45,56% no pernil e 55,90% na uva passa, em lojas físicas.

Os servidores do departamento de Estudos e Pesquisas averiguaram as etiquetas de diversos produtos, entre eles: azeite, ave fiesta, bacalhau, chester, grão de bico, lentilha, peru, pernil, panetone, farofa pronta, frutas secas e também em caldas. Entre os itens que tiveram menor variação de preço nas lojas físicas estão o peixe salgado tipo bacalhau saith, que oscilou 3%, e o panettone de frutas, com diferença de 5%.

Já no e-commerce, a oscilação de preço entre os supermercados foi menor. Notou-se aumento de até 17,34% no peru, de 1,82% no tender, 5,27% no bacalhau, 2,87% na azeitona verde, 12,96% no pêssego em caldas.

Segundo o Procon, o resultado do levantamento mostrou que é importante o consumidor pesquisar antes de efetuar as compras. Outras dicas também podem ajudar a gastar menos na refeição comemorativa (veja abaixo). Um levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) mostrou que os alimentos da ceia de Natal estão em média 15% mais caros este ano. Para economizar, as famílias deverão usar a criatividade e apostar na substituição dos itens mais tradicionais.

A inflação atingiu principalmente o arroz, um dos principais acompanhamentos da mesa, cujo preço subiu mais de 62% no acumulado dos últimos 12 meses, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor (IPC). Também foram observados aumentos significativos nas carnes tradicionais dos cardápios de Natal, como pernil suíno (30,5%), lombo suíno (20,14%), frango inteiro (14,5%) e o bacalhau (10%).

O Procon ressaltou que os preços divulgados são um retrato da ocasião em que foi realizada a pesquisa e não há a garantia de que o consumidor irá encontrar os mesmos valores no momento em que for realizar a compra. Além do município do Rio, o comparativo de preços foi realizado em Campos dos Goytacazes. O Procon-RJ destaca que nem todos os itens foram encontrados em todos os estabelecimentos verificados. As listas com todos os itens pesquisados podem ser encontradas no link: https://bit.ly/pesquisa-ceia-de-natal.

Como economizar na ceia

Use marcas menos famosas: pesquisas com dois carrinhos de compras — com os mesmos produtos, mas um composto por marcas famosas e outro com marcas menos conhecidas — mostraram que fazer substituições pode gerar economia de até 50%

É possível também substituir alguns itens, como trocar o peru por frango ou carne de porco. Basta caprichar nas receitas, usar um frango bem recheado. O arroz branco pode ser incrementado com vegetais e frutas secas para render mais. Nozes e amêndoas podem ser substituídas por castanhas de caju ou do Pará. Bacalhau pode ser trocado por outros pescados, como o cação

Observe os encartes dos supermercados em busca de promoções

Divida os custos da ceia entre os parentes que vão passar a data junto, lembrando-se de evitar aglomerações

Não deixe as compras para a véspera: faça tudo sem pressa, com uma listinha em mãos, para não ser fisgado pelas compras não planejadas

Dê preferência a frutas nacionais e da estação, assim como a vinhos brasileiros

Quando for encomendar pratos para a ceia, busque pequenos fabricantes do bairro, o que ainda ajuda a economia local.

Compre itens a granel, porque costumam ser mais baratos do que produtos que já vêm em embalagens lacradas ou potinhos

Evite desperdício: calcule de 250g a 300g de carne por pessoa .Um copo americano de arroz rende quantidade suficiente em média para quatro pessoas