África do Sul suspende uso de vacina da AstraZeneca após dados sobre variante

·1 minuto de leitura

JOHANESBURGO (Reuters) - A África do Sul vai suspender o uso de vacinas da AstraZeneca para Covid-19 em seu programa de imunização após dados terem mostrado que ela concede proteção mínima contra infecções moderadas e sérias causadas pela variante do vírus dominante no país.

O ministro da saúde, Zweli Mkhize, disse neste domingo que o governo vai esperar conselhos de cientistas sobre como agir depois dos resultados decepcionantes em testes conduzidos pela Universidade de Witwatersrand.

O governo pretendia aplicar a vacina da AstraZeneca para trabalhadores do setor de saúde em breve, depois de ter recebido 1 milhão de doses produzidas pelo Instituto Serun, da Índia, na segunda-feira.

Ao invés disso, serão oferecidas vacinas desenvolvidas pela Johnson & Johnson e pela Pfizer nas próximas semanas, enquanto especialistas avaliam como o imunizante da AstraZeneca pode ser utilizada.

"O que isso significa para o nosso programa de vacinação, que dissemos que começará em fevereiro? A resposta é que continuará", disse Mkhize, em uma entrevista coletiva online.

“A partir da próxima semana e pelas próximas quatro semanas, esperamos ter vacinas da J&J, vacinas da Pfizer. Portanto, o que estará disponível para os profissionais de saúde serão essas vacinas".

"A vacina AstraZeneca permanecerá conosco ... até que os cientistas nos dêem indicações claras sobre o que precisamos fazer", acrescentou ele.

(Reportagem de Alexander Winning e Olivia Kumwenda-Mtambo)