Área técnica da Anvisa impõe condicionantes para uso da Sputnik V se importação for aprovada

·1 minuto de leitura
Caixas com a vacina Sputnik V

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A área técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) disse nesta sexta-feira que ainda há "incertezas técnicas" com relação à vacina russa contra Covid-19 Sputnik V, e recomendou uma série de condicionantes caso a importação do imunizante seja aprovada pela diretoria do órgão.

Em seu parecer, o gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos do órgão, Gustavo Mendes, afirmou que a vacina só deve ser autorizada para uso em adultos saudáveis, e que os Estados que apresentaram o pedido de importação deverão suspender a importação, distribuição e uso da vacina caso a Anvisa ou a Organização Mundial da Saúde (OMS) reprovem o uso emergencial da Sputnik V futuramente.

O gerente da área também apontou como condicionante que as vacinas enviadas ao Brasil sejam proveniente das plantas produtivas russas inspecionadas pela Anvisa, entre outros pontos.

As recomendações da área técnica do órgão regulador serão levadas em conta para a decisão que a diretoria colegiada fará sobre o pedido de importação ainda nesta sexta.

A Anvisa havia rejeitado em abril pedido de importação da vacina russa após a área técnica da agência listar uma série de "deficiências" no pedido e afirmar que não poderia ser avalizada a importação em razão da falta de informações mínimas para se garantir uma análise da segurança, qualidade e eficácia do imunizante.

Ao todo, os governadores que pediram a aprovação da importação à Anvisa têm pré-contratos para aquisição de 65 milhões de doses da Sputnik, enquanto o governo federal planeja comprar outras 10 milhões de doses.