Árvores viram banheiro no bloco Amigos da Onça, no Rio

RIO DE JANEIRO, RJ, E BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Um parque gramado cheio de árvores virou abrigo e sombra para alguns foliões durante a passagem do bloco Amigos da Onça e de outros que desfilam no Aterro do Flamengo. Mas o local também foi transformado em banheiro por muita gente.

Uns viravam de costas e abaixavam o short, umas faziam cabaninha com a canga de onça característica das fantasias do cortejo, outras abaixavam a meia-calça e faziam assim mesmo, sem cobertura. Ao fundo, um grupo de guardas municipais passa procurando os foliões que se aliviavam escondidos.

Em alguns pontos, poças de xixi cobrem as raízes das árvores.

Segundo a Prefeitura do Rio, quem for flagrado urinando na rua, além de receber uma multa de R$ 748,61, poderá ser conduzido a uma unidade policial por atentado ao pudor. Os reincidentes correm o risco de ter uma multa 58% mais alta.

Responsável pela supervisão dos fiscais do programa Lixo Zero no bloco Cordão da Bola Preta, Jorge Silva de Azevedo, 50, explica que foliões ficam confusos quando são autuados por urinar na rua.

Os 32 agentes responsáveis só por este bloco têm que manter a calma para explicar e repetir até que o infrator compreenda o que está acontecendo. "[Foliões] ficam sempre muito confusos", relata o supervisor do programa da Comlurb.

Em Belo Horizonte, foliões homens faziam xixi até mesmo atrás dos banheiros químicos disponibilizados pela prefeitura durante desfile do bloco Então, Brilha!, no centro da cidade. O objetivo era evitar filas.

A cena se repetia em cantos da entrada de garagens de prédios na região. Já as mulheres pagavam R$ 2 para usar banheiros disponibilizados por pontos de venda do jogo do bicho e por estacionamentos.