Áustria endurece restrições, escolas e lojas fecharão

·1 minuto de leitura
O ministro das Relações Exteriores, Sebastian Kurz, em coletiva de imprensa em Viena, em 14 de novembro de 2020
O ministro das Relações Exteriores, Sebastian Kurz, em coletiva de imprensa em Viena, em 14 de novembro de 2020

O governo austríaco anunciou neste sábado (14) o fechamento de escolas e lojas não essenciais, duas semanas após o estabelecimento de um bloqueio parcial que não permitiu conter a propagação do coronavírus no país.

"Novas restrições serão impostas", declarou o ministro das Relações Exteriores, Sebastian Kurz, em uma entrevista coletiva em Viena.

"A partir de terça-feira até 6 de dezembro será estabelecido um confinamento como o da primavera (boreal)", ressaltou.

Detalhando as medidas, o chanceler acrescentou que os contatos devem ser evitados ao máximo.

"Meu pedido urgente para as próximas semanas é o seguinte: não se reúna com ninguém", reforçou.

As viagens para o exterior só serão permitidas em circunstâncias específicas (compras, motivos profissionais e médicos, esportes ou passeios).

As lojas também terão de fechar as portas, com exceção de mercearias, farmácias, bancos, correios e outras atividades consideradas essenciais.

No que se refere à educação, as escolas de ensino fundamental e médio oferecerão ensino a distância.

No início de novembro, um toque de recolher noturno foi imposto. Restaurantes, museus, salas de concerto e instalações esportivas foram fechadas, porém os casos da covid-19 continuaram aumentando.

Segundo o site "Our World in Data", neste sábado o número médio de casos diários era de 831 a cada milhão de habitantes, colocando a Áustria à frente da Suíça e da República Tcheca nesse parâmetro.

Desde o surgimento da pandemia, mais de 1.660 mortes pelo novo coronavírus foram registradas no país.

deh-anb/mab/eg/bn