É cedo para dizer se britânicos poderão passar férias no exterior, diz premiê Johnson

Kate Holton e Alistair Smout e Elizabeth Piper
·1 minuto de leitura
Premiê britânico Boris Johnson concede entrevista em Londres

Por Kate Holton e Alistair Smout e Elizabeth Piper

LONDRES (Reuters) - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse nesta segunda-feira que é cedo demais para dizer se as férias de verão no exterior podem acontecer neste ano, um comentário que sugere que uma retomada planejada de viagens internacionais pode ser adiada para depois de 17 de maio.

Os britânicos estão entre os turistas europeus mais esbanjadores, por isso o destino da temporada de verão e do setor turístico do continente, atingido duramente pelas restrições impostas pela pandemia de Covid-19 às viagens, dependerão de os turistas poderem voltar às praias, cafés e tavernas do sul da Europa.

O Reino Unido planeja usar um sistema de risco de estilo semáforo para os países assim que as viagens internacionais não-essenciais recomeçarem, mas o governo disse que é cedo demais para dizer quais países podem receber a luz verde – que só exigiria exames de coronavírus antes e depois das viagens.

"Levando em conta a situação mais recente com as variantes (do coronavírus) e os indícios sobre a eficácia das vacinas contra elas, confirmaremos antecipadamente se viagens internacionais não-essenciais podem ser retomadas em 17 de maio, ou se precisaremos esperar mais tempo antes de suspender a restrição de voos ao exterior", informou análise do governo.

Johnson disse em uma coletiva de imprensa que tem esperança de que as viagens internacionais não-essenciais sejam retomadas a partir de 17 de maio, mas que não quer subestimar o número crescente de casos de Covid-19 em outros locais.

As pessoas não precisarão de certificados de vacinas para pubs, cabeleireiros e lojas, disse Johnson.

(Por Kate Holton, Alistair Smout e Elizabeth Piper)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702))

REUTERS TR