É difícil conseguir o FIES? Descubra

O FIES é um programa do Governo Federal que oferece financiamento estudantil a juros baixos (6,5% ao ano) a alunos de baixa renda.

O FIES é um programa do Governo Federal que oferece financiamento estudantil a juros baixos (6,5% ao ano) a alunos de baixa renda. É um dos mais importantes programas de acesso ao ensino superior do País e desde sua criação, em 1999, já beneficiou cerca de dois milhões de brasileiros.

A partir de 2015, ficou mais difícil conseguir o FIES. Isso porque as regras mudaram, a quantidade de vagas diminuiu, os critérios de participação ficaram mais rígidos e o Ministério da Educação anunciou que vai priorizar alguns cursos e regiões.

Apesar de um pouco mais complicado, não é impossível conseguir o FIES, desde que você se encaixe nas novas regras e saiba o que pode garantir uma vaga.

Confira, a seguir, quem pode fazer o FIES e quais critérios você deve cumprir para aumentar suas chances de conseguir o financiamento estudantil do Governo Federal!

Quem pode e quem não pode pedir o FIES?

Antes de entender se vai ser difícil conseguir o FIES, é fundamental conhecer as regras de participação do Programa para saber se você está dentro ou fora da disputa. 
Pode pedir o FIES para pagar a faculdade particular o estudante brasileiro que cumprir os seguintes requisitos:

-Não tiver diploma de nível superior.

-Tiver participado do Enem, com desempenho de pelo menos 450 pontos nas provas objetivas e nota maior do que zero na redação (para quem concluiu o ensino médio a partir de 2010).

-Tiver renda familiar bruta mensal de no máximo 2,5 salários mínimos por pessoa.

-For professor efetivo da rede pública de ensino e pedir o FIES para financiar curso de licenciatura, normal superior ou pedagogia (neste caso não é necessário apresentar o desempenho no Enem nem atender o critério de renda familiar).-

For bolsista parcial do ProUni e solicitar o FIES para complementar o valor da mensalidade no mesmo curso e faculdade onde tem a bolsa.

Não pode fazer o FIES o estudante que:

-Já tiver um diploma de nível superior.

-Já tiver sido beneficiado com financiamento do FIES.

-Estiver inadimplente com o Programa de Crédito Educativo (PCE/CREDUC).

-Possuir renda familiar bruta mensal de mais de 2,5 salários mínimos por pessoa.


Como aumentar as chances de conseguir o FIES?

As regras do FIES vêm mudando nas últimas edições e o número de vagas é limitado. Entenda as situações em que você poderá aumentar suas chances de conseguir o FIES:

1. Desempenho no Enem
Um dos critérios mais importantes para conseguir o FIES passou a ser o desempenho no Enem, pois agora o FIES usa a nota do Exame para selecionar os candidatos a um financiamento. Portanto, quanto maior for o seu desempenho no Enem, maiores as suas chances de conseguir o FIES.

É importante saber também que embora o desempenho mínimo na redação para se cadastrar no FIES seja nota maior do que zero, essa parte do Exame é de extrema importância e uma boa nota pode garantir a sua vaga. Isso porque a prova de Redação é o primeiro critério de desempate caso você apresente a mesma pontuação no Enem que outro candidato à mesma vaga.

2. Nota do Curso
Em 2015, o MEC anunciou que faria um controle mais rigoroso da distribuição de financiamentos e prezaria pela qualidade do curso perante o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes). Isso significa que cursos com nota máxima (5) terão mais vagas do FIES, seguidos pelos cursos com nota 4. Cursos com nota 3 também poderão ser financiados pelo FIES, mas em número menor. 
Portanto, se você já sabe que vai pedir o FIES, deve escolher um curso nota 5 para aumentar suas chances de conseguir o financiamento. Veja alguns exemplos de faculdades com curso nota 5 no MEC:

-Centro Educacional Anhanguera (ANHANGUERA)
-Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL)
-Universidade de Franca (UNIFRAN)
-Universidade Cidade de São Paulo (UNICID)

-União Metropolitana de Educação e Cultura (UNIME)
-Faculdade Pitágoras

-Universidade Estácio de Sá


3. Áreas do conhecimento
A partir de 2015, o Governo passou a priorizar algumas áreas do conhecimento na distribuição das vagas do FIES. Cursos que pertençam às engenharias, à área de saúde e formação de professores terão mais financiamentos. 
O MEC garantiu que cursos de outras áreas também serão financiados, mas o número de vagas será menor.

4. Regiões Prioritárias
Sobre esse critério talvez você não tenha muito controle, pois o custo de mudar de estado para aumentar as chances de conseguir uma vaga do FIES pode ser bem maior do que o valor do curso financiado. No entanto, é importante saber que o governo decidiu reservar mais financiamentos para algumas regiões que, historicamente, não vinham sendo muito atendidas pelo programa. São elas: Região Norte, Nordeste e Centro-Oeste (com exceção do Distrito Federal).

Estudantes de outras regiões do País continuarão a ser atendidos pelo FIES, porém  em menor quantidade.

Como funciona o FIES?

O FIES é um financiamento estudantil patrocinado pelo Governo Federal. O estudante que consegue o FIES só precisa começar a pagar a dívida depois de formado e os juros são muito mais baixos do que os praticados no mercado de financiamentos privados: 6,5% ao ano. 
A inscrição para o FIES é gratuita e acontece duas vezes por ano, no primeiro e no segundo semestre, em datas divulgadas pelo MEC.

Você acha que vai ser difícil conseguir o FIES? O que achou das dicas? Deixe o seu comentário!

Já tiver um diploma de nível superior. Já tiver sido beneficiado com financiamento do FIES. Estiver inadimplente com o Programa de Crédito Educativo (PCE/CREDUC). Possuir renda familiar bruta mensal de mais de 2,5 salários mínimos por pessoa.

Como aumentar as chances de conseguir o FIES?

As regras do FIES vêm mudando nas últimas edições e o número de vagas é limitado. Entenda as situações em que você poderá aumentar suas chances de conseguir o FIES:

1. Desempenho no Enem
Um dos critérios mais importantes para conseguir o FIES passou a ser o desempenho no Enem, pois agora o FIES usa a nota do Exame para selecionar os candidatos a um financiamento. Portanto, quanto maior for o seu desempenho no Enem, maiores as suas chances de conseguir o FIES.

É importante saber também que embora o desempenho mínimo na redação para se cadastrar no FIES seja nota maior do que zero, essa parte do Exame é de extrema importância e uma boa nota pode garantir a sua vaga. Isso porque a prova de Redação é o primeiro critério de desempate caso você apresente a mesma pontuação no Enem que outro candidato à mesma vaga.

2. Nota do Curso
Em 2015, o MEC anunciou que faria um controle mais rigoroso da distribuição de financiamentos e prezaria pela qualidade do curso perante o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes). Isso significa que cursos com nota máxima (5) terão mais vagas do FIES, seguidos pelos cursos com nota 4. Cursos com nota 3 também poderão ser financiados pelo FIES, mas em número menor.
Portanto, se você já sabe que vai pedir o FIES, deve escolher um curso nota 5 para aumentar suas chances de conseguir o financiamento. Veja alguns exemplos de faculdades com curso nota 5 no MEC:

      -Centro Educacional Anhanguera (Anhanguera)

      -Universidade Estácio de Sá (UNESA)

      -Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL)

      -Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)


3. Áreas do conhecimento
A partir de 2015, o Governo passou a priorizar algumas áreas do conhecimento na distribuição das vagas do FIES. Cursos que pertençam às engenharias, à área de saúde e formação de professores terão mais financiamentos.
O MEC garantiu que cursos de outras áreas também serão financiados, mas o número de vagas será menor.

4. Regiões Prioritárias
Sobre esse critério talvez você não tenha muito controle, pois o custo de mudar de estado para aumentar as chances de conseguir uma vaga do FIES pode ser bem maior do que o valor do curso financiado. No entanto, é importante saber que o governo decidiu reservar mais financiamentos para algumas regiões que, historicamente, não vinham sendo muito atendidas pelo programa. São elas: Região Norte, Nordeste e Centro-Oeste (com exceção do Distrito Federal).

Estudantes de outras regiões do País continuarão a ser atendidos pelo FIES, porém  em menor quantidade.

Como funciona o FIES?

O FIES é um financiamento estudantil patrocinado pelo Governo Federal. O estudante que consegue o FIES só precisa começar a pagar a dívida depois de formado e os juros são muito mais baixos do que os praticados no mercado de financiamentos privados: 6,5% ao ano.
A inscrição para o FIES é gratuita e acontece duas vezes por ano, no primeiro e no segundo semestre, em datas divulgadas pelo MEC.


Você acha que vai ser difícil conseguir o FIES? O que achou das dicas? Deixe o seu comentário!

O FIES é um programa do Governo Federal que oferece financiamento estudantil a juros baixos (6,5% ao ano) a alunos de baixa renda. É um dos mais importantes programas de acesso ao ensino superior do País e desde sua criação, em 1999, já beneficiou cerca de dois milhões de brasileiros.

A partir de 2015, ficou mais difícil conseguir o FIES. Isso porque as regras mudaram, a quantidade de vagas diminuiu, os critérios de participação ficaram mais rígidos e o Ministério da Educação anunciou que vai priorizar alguns cursos e regiões.

Apesar de um pouco mais complicado, não é impossível conseguir o FIES, desde que você se encaixe nas novas regras e saiba o que pode garantir uma vaga.

Confira, a seguir, quem pode fazer o FIES e quais critérios você deve cumprir para aumentar suas chances de conseguir o financiamento estudantil do Governo Federal!

Quem pode e quem não pode pedir o FIES?

Antes de entender se vai ser difícil conseguir o FIES, é fundamental conhecer as regras de participação do Programa para saber se você está dentro ou fora da disputa.
Pode pedir o FIES para pagar a faculdade particular o estudante brasileiro que cumprir os seguintes requisitos:

Não tiver diploma de nível superior. Tiver participado do Enem, com desempenho de pelo menos 450 pontos nas provas objetivas e nota maior do que zero na redação (para quem concluiu o ensino médio a partir de 2010). Tiver renda familiar bruta mensal de no máximo 2,5 salários mínimos por pessoa. For professor efetivo da rede pública de ensino e pedir o FIES para financiar curso de licenciatura, normal superior ou pedagogia (neste caso não é necessário apresentar o desempenho no Enem nem atender o critério de renda familiar). For bolsista parcial do ProUni e solicitar o FIES para complementar o valor da mensalidade no mesmo curso e faculdade onde tem a bolsa.


Não pode fazer o FIES o estudante que:

Já tiver um diploma de nível superior. Já tiver sido beneficiado com financiamento do FIES. Estiver inadimplente com o Programa de Crédito Educativo (PCE/CREDUC). Possuir renda familiar bruta mensal de mais de 2,5 salários mínimos por pessoa.

Como aumentar as chances de conseguir o FIES?

As regras do FIES vêm mudando nas últimas edições e o número de vagas é limitado. Entenda as situações em que você poderá aumentar suas chances de conseguir o FIES:

1. Desempenho no Enem
Um dos critérios mais importantes para conseguir o FIES passou a ser o desempenho no Enem, pois agora o FIES usa a nota do Exame para selecionar os candidatos a um financiamento. Portanto, quanto maior for o seu desempenho no Enem, maiores as suas chances de conseguir o FIES.

É importante saber também que embora o desempenho mínimo na redação para se cadastrar no FIES seja nota maior do que zero, essa parte do Exame é de extrema importância e uma boa nota pode garantir a sua vaga. Isso porque a prova de Redação é o primeiro critério de desempate caso você apresente a mesma pontuação no Enem que outro candidato à mesma vaga.

2. Nota do Curso
Em 2015, o MEC anunciou que faria um controle mais rigoroso da distribuição de financiamentos e prezaria pela qualidade do curso perante o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes). Isso significa que cursos com nota máxima (5) terão mais vagas do FIES, seguidos pelos cursos com nota 4. Cursos com nota 3 também poderão ser financiados pelo FIES, mas em número menor.
Portanto, se você já sabe que vai pedir o FIES, deve escolher um curso nota 5 para aumentar suas chances de conseguir o financiamento. Veja alguns exemplos de faculdades com curso nota 5 no MEC:

Centro Educacional Anhanguera (Anhanguera) Universidade Estácio de Sá (UNESA) Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL) Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)


3. Áreas do conhecimento
A partir de 2015, o Governo passou a priorizar algumas áreas do conhecimento na distribuição das vagas do FIES. Cursos que pertençam às engenharias, à área de saúde e formação de professores terão mais financiamentos.
O MEC garantiu que cursos de outras áreas também serão financiados, mas o número de vagas será menor.

4. Regiões Prioritárias
Sobre esse critério talvez você não tenha muito controle, pois o custo de mudar de estado para aumentar as chances de conseguir uma vaga do FIES pode ser bem maior do que o valor do curso financiado. No entanto, é importante saber que o governo decidiu reservar mais financiamentos para algumas regiões que, historicamente, não vinham sendo muito atendidas pelo programa. São elas: Região Norte, Nordeste e Centro-Oeste (com exceção do Distrito Federal).

Estudantes de outras regiões do País continuarão a ser atendidos pelo FIES, porém  em menor quantidade.

Como funciona o FIES?

O FIES é um financiamento estudantil patrocinado pelo Governo Federal. O estudante que consegue o FIES só precisa começar a pagar a dívida depois de formado e os juros são muito mais baixos do que os praticados no mercado de financiamentos privados: 6,5% ao ano.
A inscrição para o FIES é gratuita e acontece duas vezes por ano, no primeiro e no segundo semestre, em datas divulgadas pelo MEC.

Você acha que vai ser difícil conseguir o FIES? O que achou das dicas? Deixe o seu comentário!