É #FAKE que atual diretoria da Anvisa seja a mesma de governos do PT

Roberta Pennafort, CBN
·2 minuto de leitura

Circula nas redes sociais que a diretoria atual da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é a mesma dos governos do PT. É #FAKE.

Dos cinco membros da diretoria colegiada da Anvisa, autarquia vinculada ao Ministério da Saúde responsável pelo controle da produção e consumo de produtos como vacinas e remédios, quatro, incluindo o diretor-presidente, Antonio Barra Torres, assumiram no governo Jair Bolsonaro, e um, na gestão Michel Temer.

A mensagem falsa tem sido compartilhada na forma de um alerta justamente ao presidente Bolsonaro, que foi quem indicou Torres, militar da Marinha e em seu primeiro mandato na agência. Uma das versões diz: “Presidente, a Anvisa está com os mesmos diretores da época do PT! Esse povo foi o que barrou a fosfoetanolamina e pode estar contribuindo para a vacina ser aceita! É hora de trocar esse pessoal!”

A fosfoetanolamina é conhecida como a “pílula do câncer”, por supostamente ajudar na cura de alguns tipos da doença. A substância teve a distribuição vetada pela Anvisa em 2015, porque seus efeitos carecem de comprovação científica. A referência à vacina se deve à polêmica envolvendo aos imunizantes testados no Brasil para a Covid-19; em especial ao de origem chinesa, rechaçado por Bolsonaro e seus apoiadores e defendida pelo governador de São Paulo, João Doria.

O texto foi marcado como falso pelo Facebook. À CBN, a Anvisa diz, em nota, que tem “dois diretores efetivos e três diretores em exercício substitutos". "Ou seja, estamos em uma transição; assim que os recém-indicados tomarem posse, os atuais substitutos voltam aos seus cargos originais.” O órgão lembra: “Importante observar que os diretores substitutos são, por lei, servidores de carreira”.

A composição atual e os respectivos anos em que assumiram o cargo são os seguintes:

A Anvisa afirma ainda: “Quatro nomes indicados pela Presidência da República neste ano já foram sabatinados no Senado Federal e aprovados para assumir o cargo de diretor. Estamos aguardando suas nomeações. Assim que forem nomeados, os diretores substitutos deixam seus cargos”. São eles: Alex Machado Campos, Meiruze Freitas e Cristiane Rose Jourdan Gomes, todos indicados neste ano.

Os últimos dois diretores que estiveram na Anvisa na gestão Bolsonaro e que não estão em tais listas já não fazem mais parte da cúpula do órgão. Renato Porto e Fernando Mendes, de fato, assumiram no governo Dilma Rousseff; o primeiro, em 2013, e o segundo, em 2015. Mas os mandatos já se encerraram. Um terceiro, William Dib, entrou em 2016, indicado por Temer, e também já está fora do cargo.