É #FAKE que candidata a vereadora em Curitiba teve o dobro de votos, mas fraude alterou número conquistado

Marcelo Parreira, TV Globo
·2 minuto de leitura

Um post publicado em redes sociais afirma que os dados divulgados da votação de uma candidata a vereadora em Curitiba comprovam que houve fraude nas eleições municipais deste ano. É #FAKE.

Em um determinado momento, os votos divulgados no sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostraram o dobro do apontado na totalização das urnas. Os dados duplicados, porém, resultaram de uma atualização no sistema de divulgação dos números ocorrida em algumas cidades, não nos sistemas de totalização. Os dados efetivamente obtidos, registrados nos boletins de urna, seguem os mesmos.

A mensagem publicada na última segunda-feira (23) foi curtida e compartilhada milhares de vezes. "URGENTE: Comprovada fraude nas eleições. A candidata a vereadora de Bolsonaro Paula Milani, em Curitiba, que a totalização mostrou com 978 votos, agora aparece no site do TSE com 1.956 votos. O sistema do TSE mostrando agora. Prints as 11 em ponto. Chama o povo. Pegamos eles", diz o texto.

Mas o problema não ocorreu na totalização dos votos, e sim na atualização do sistema de divulgação. "Na última segunda-feira (23), durante uma atualização dos dados ocorreu em algumas cidades – e por poucas horas – a visualização de dados sobrepostos referentes a votos de candidatos a prefeito e a vereador", explica o TSE, em nota. "Houve, portanto, momentaneamente, uma sobreposição de dados, e não uma duplicação de votos", diz a nota. Por isso, não só a candidata citada na mensagem como outros candidatos apareceram temporariamente no sistema com o dobro dos votos obtidos. O problema, já resolvido, foi registrado em três cidades, segundo o TSE: Curitiba (PR), Ilhéus (BA) e Garanhuns (PE).

Candidata a vereadora em Curitiba, a advogada Paula Milani (PMB) disputou uma eleição pela primeira vez. Ela foi uma das candidatas indicadas pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, em transmissões ao vivo realizadas nas semanas anteriores à eleição mas, com 978 votos, não conseguiu um mandato.

A maioria dos candidatos apoiados por Bolsonaro, aliás, não se elegeu.