É #FAKE que Dias Toffoli disse que grupos de WhatsApp têm que ser registrados em cartório sob pena de condenação por fake news

Roberta Pennafort, CBN

Circula nas redes sociais uma mensagem que diz que o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, afirmou que grupos de WhatsApp têm que ser registrados em cartório. “Quem não registrar será condenado por fake news”, diz a frase atribuída a ele. É #FAKE.

 

Procurada pela CBN, a presidência do STF informa que “não procede a publicação que atribui ao presidente Dias Toffoli obrigatoriedade de registro de grupos de WhatsApp em cartório”.

A mensagem falsa afirma que grupos não registrados “serão considerados disseminadores de fake news, e os donos, responsabilizados”, uma vez que “tais grupos atentam contra a soberania nacional e a estabilidade da democracia”.

Dias Toffoli já manifestou, em diferentes ocasiões, preocupação com a disseminação de informações falsas nas redes sociais, mas a fala quem tem viralizado não é verídica. Não há registro público dela.

No ano passado, bem antes da pandemia de coronavírus, ele declarou que o Judiciário e o Congresso vinham sendo atacados por "fake news". Ele disse que mensagens falsas “visam exatamente a disseminar o medo para semear o ódio entre as pessoas". "Elas vêm para dividir, não para construir. E colocam em risco, hoje, valores democráticos.”

O inquérito do STF aberto há um ano, por determinação do ministro, para investigar disseminadores de mensagens falsas identificou empresários apoiadores do presidente Jair Bolsonaro como financiadores de ataques contra ministros da Corte nas redes sociais. A investigação foi determinada para apurar a origem de ameaças e calúnias dirigidas a ministros do STF e suas famílias, e localizou autores que, além de propagar essas mensagens, também convocaram atos de rua que tiveram como alvos o Congresso e o Judiciário.