É #FAKE que fotos e vídeos mostrem produtos mofados em shopping de São Paulo durante a quarentena

Roberta Pennafort, CBN
1 / 1

selo-fake-shopping.jpg

É #FAKE que fotos e vídeos mostrem produtos mofados em shopping de São Paulo durante a quarentena

Circulam nas redes sociais fotos e vídeos que mostram produtos, como roupas, bolsas e sapatos de couro, mofados em uma loja. As mensagens dizem que isso ocorreu por conta do desligamento do ar-condicionado de um shopping de São Paulo durante a quarentena e atribuem o prejuízo ao governador João Doria e às medidas de isolamento social tomadas por ele. É #FAKE.

A Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) informa que o incidente não aconteceu no Brasil. As imagens, na verdade, são de uma loja de departamentos na Malásia. A loja se chama Metrojaya e fez um comunicado nas redes sociais sobre o assunto. O estabelecimento informa que o problema ocorreu depois do fechamento da unidade, no dia 18 de março. Mas o texto não atribui o estrago ao sistema de ar-condicionado.

“Existem várias razões para os produtos ficarem nesse estado, e nós ainda estamos investigando isso”, diz o comunicado, que não menciona nada sobre refrigeração. No mesmo dia, foram divulgadas pela loja fotos da limpeza das prateleiras e da substituição dos produtos inutilizados. A loja voltou a funcionar no último dia 13.

Uma das mensagens falsas que circula com as imagens afirma: “Sabem o que acontece num shopping center após mais de 30 dias de ar-condicionado desligado? Não? Eu vou te mostrar... Mandem a conta desse prejuízo para João Doria”. Várias outras com texto similar terminam culpando o governador de São Paulo.

Há também versões que criticam o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. Doria e Witzel vêm sendo alvos de ataques nas redes sociais feitos por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, que defende o fim do distanciamento social e a retomada das atividades econômicas.

No Brasil, todos os shoppings ficaram fechados a partir do dia 26 de março – medida tomada pelos governos para reduzir aglomerações e frear a propagação do coronavírus. No momento, a situação difere de estado para estado. Desde abril, segundo a Abrasce, 89 shoppings já reabriram em 53 cidades de dez estados, como Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Minas Gerais.

No estado do Rio de Janeiro, desde 27 de abril o movimento foi retomado em cinco shoppings, todos, porém, fora da capital, onde o número de infectados pelo coronavírus é maior e as medidas de isolamento determinadas pela prefeitura mais rígidas. Em todo o estado de São Paulo as atividades continuam suspensas.

Sobre as imagens dos produtos mofados, o pneumologista José Rodrigues Pereira, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, explica que o ar-condicionado baixa a umidade do ar, e seu desligamento pode mesmo provocar o surgimento de bolor em materiais biológicos, como o couro. A temperatura mais alta também facilita a proliferação do fungo, assim como a falta de ventilação.

“O ar-condicionado resseca o ambiente. Se estamos num ambiente úmido, o ar ‘corrige’ a umidade. Se desligado, pode aparecer mofo no couro em ambientes não ventilados, como vemos nas imagens. Mas a intensidade que observamos não é comum, é algo extremo. Não é o tipo de coisa que acontece normalmente. Pode ter havido uma infiltração na loja”, diz, lembrando que é difícil definir o quanto o sistema de ar-condicionado diminui a umidade relativa do ar; isso varia de acordo com o tamanho da loja e da potência dos aparelhos.

Pereira alerta que a exposição a esses produtos mofados é prejudicial à saúde, especialmente quando a pessoa tem quadros alérgicos ou asma, podendo levar a crises. “No caso da asma, quanto maior a exposição, maior é o risco de uma crise severa.”