É #FAKE que Joe Biden acusou juiz da Suprema Corte de abuso sexual

Roberta Pennafort, CBN
·2 minuto de leitura
Reprodução
Reprodução

Tem viralizado nas redes sociais uma mensagem que diz que o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, acusou injustamente o juiz Thomas Clarence, hoje na Suprema Corte, o mais alto tribunal do país, de abuso sexual no passado. É #FAKE.

A mensagem falsa mostra uma foto do magistrado, com a seguinte legenda: “Thomas Clarence, homem honesto e honrado, que foi difamado, humilhado e acusado por Joe Biden em 1991 por abuso sexual, espancamento de sua esposa e de ser gay, é o homem que preside a Suprema Corte americana que julgará as fraudes eleitorais”.

O pano de fundo é o discurso do republicano Donald Trump de que o processo eleitoral do qual Biden foi anunciado como vencedor foi fraudado. A intenção da mensagem falsa é induzir o leitor a acreditar que agora haverá um “acerto de contas” entre Clarence e Biden, uma vez que Trump recorreu à Suprema Corte na tentativa de obter a recontagem de votos.

Só que o democrata, senador desde 1987 e presidente da Comissão Judiciária do Senado a partir de então, não fez a acusação em questão, ocorrida em 1991. A autora foi Anita Hill, uma advogada e professora universitária.

Ela testemunhou no comitê – encarregado de realizar audiências antes da confirmação, pelo plenário do Senado, de juízes federais nomeados pelo presidente americano – contra Clarence, então indicado à Suprema Corte por George Bush (pai).

Anita afirmou que havia trabalhado com o juiz federal no governo de Ronald Reagan, e que ele a assediou em diferentes ocasiões, tenho feito comentários inapropriados, que a insultaram, e criado uma atmosfera insustentável para ela. O caso teve muita repercussão, porque os debates no comitê foram permeados por traços de racismo (tanto Clarence quanto Anita são negros), machismo e misoginia.

Biden, portanto, não teve relação com a denúncia contra o juiz, e sim com a análise do que foi relatado. À frente da comissão, ele acabou votando contra a confirmação de Clarence para a Corte. Foi uma decisão apertada: 52 votos favoráveis ao juiz e 48 contra.

Outra informação falsa da mensagem que tem sido compartilhada agora é a de que Clarence é o presidente da Suprema Corte. Não é verdade. Ele é um dos nove juízes que compõem o tribunal, presidido por John Roberts.