É #FAKE que médicos alemães descobriram que mortes por coronavírus são causadas por uma bactéria e que a Covid-19 é amplificada pelo 5G

·3 minuto de leitura

Circula pelas redes sociais uma mensagem que diz que médicos alemães fizeram autópsias de mortes por coronavírus e determinaram o causador da doença não é um vírus, mas, sim, uma bactéria. A mensagem também diz que Covid-19 é amplificada pela radiação eletromagnética 5G, que causa inflamação e hipóxia. É #FAKE.

A mensagem falsa em circulação é uma nova versão de um outro boato anterior, em que os criadores afirmavam que médicos italianos tinham descoberto que o coronavírus não causa pneumonia e que o tratamento pode ser feito em casa mesmo em casos graves. O boato também fala que a aspirina pode ser amplamente utilizada no tratamento. O Fato ou Fake checou a mensagem em abril.

"Essa postagem consegue juntar várias mensagens falsas, algumas já antigas. Primeiro: o trabalho da OMS é de coordenação de informações entre vários países para o melhor combate de doenças de alcance global. Não existe uma lei da OMS, como prega a mensagem", diz o pneumologista Rodolfo Fred Behrsin, professor do Hospital Universitário Gaffreé e Guinle.

Ele explica que os alemães, via testagem intensiva e um maior isolamento social da população, tinham conseguido fazer com que a pandemia tivesse uma curva bem menos elevada que nos outros países.

"Essa questão da autópsia que os alemães realizaram já circulou anteriormente. Porém, antes, a mensagem dizia que eram médicos italianos. Uma outra dizia que foram médicos aqui no Brasil e que após a autópsia haviam descoberto a cura da doença, o que também não se mostrou verdadeiro", recorda-se Behrsin.

"Quanto ao uso preventivo da aspirina, se isso fosse verdade, pacientes com doença cardíaca, que usam aspirina, não ficariam doentes. Não é o que nós estamos observando no dia-a-dia de acompanhamento da Covid-19", diz.

"O que a gente tem hoje é que os tratamentos dos pacientes com Covid-19 melhoram à medida que os médicos passam a ter mais conhecimento do manejo da doença. Por ser uma doença nova, os médicos também descobrem a cada dia uma informação nova e isso vai colaborando para o bem-estar dos pacientes, mas não existe nada assim tão exuberante, algo tão revolucionário a ponto de curar todos os pacientes."

Ao contrário do que a mensagem falsa diz, o coronavírus é, sim, como o nome diz, um vírus. A OMS diz que o vírus que causa a Covid-19 pertence a uma família de vírus chamada Coronaviridae. Os antibióticos não funcionam contra os vírus. Algumas pessoas que ficam doentes também podem desenvolver uma infecção bacteriana como complicação. Nesse caso, os antibióticos podem ser recomendados por um profissional de saúde. Atualmente, não há medicamento licenciado para curar a Covid-19.

"Dizer que o coronavírus não é um vírus e, sim, uma bactéria é de absoluta ignorância porque se fosse uma bactéria a gente poderia tratar com antibióticos e não existe atualmente nenhum antibiótico que controle ou que combata essa doença", afirma Behrsin.

Segundo a OMS, 'CO’ significa corona, ‘VI’ significa vírus e ‘D’ significa doença. Anteriormente, esta doença era chamada de ‘2019 novo coronavírus’ ou ‘2019-nCoV’. O vírus da Covid-19 é um novo vírus ligado à mesma família do Sars.

A ideia de que a Covid-19 é amplificada pela radiação eletromagnética 5G também é falsa. A OMS diz que os vírus não podem viajar em ondas de rádio e redes móveis. A Covid-19, aliás, tem se espalhado em muitos países que não possuem redes móveis 5G.

A Covid-19 é transmitida através de gotículas respiratórias quando uma pessoa infectada tosse, espirra ou fala. As pessoas também podem ser infectadas ao tocar em uma superfície contaminada e, em seguida, nos olhos, boca ou nariz.

O Fato ou Fake também fez uma checagem desmentindo especificamente que a rede 5G dissemina o novo coronavírus.