É #FAKE que Tasuku Honjo, Nobel de Medicina em 2018, disse que coronavírus foi criado por cientistas

Hellen Guimarães
1 / 2

selo fake honjo.png

"Estou profundamente triste de ver meu nome e o da universidade serem usados para espalhar desinformação e falsas acusações", declarou o imunologista. Boato sustenta que o coronavírus é uma arma biológica fabricada por chineses

Viralizou nas redes sociais nos últimos dias que o imunologista japonês Tasuku Honjo, vencedor do Prêmio Nobel de Medicina em 2018, teria declarado que o coronavírus não é natural e que foi, sim, criado por cientistas. A mensagem acrescenta que o pesquisador trabalhou pelos últimos quatro anos no laboratório de Wuhan, na China, cidade onde a pandemia começou. Ainda segundo o texto, ele acusa a China pela Covid-19 e diz que o governo "pode retirar seu Nobel" se o que ele supostamente diz não for verdade. É #FAKE.

A Universidade de Kyoto, onde Honjo é professor ilustre e vice-diretor-geral do Instituto de Estudos Avançados, publicou, no dia 27 de abril, uma declaração dele em que rechaça completamente os boatos. A nota pode ser encontrada no site oficial e na página da instituição no Facebook.

No texto, Honjo diz que está "profundamente triste" por ver que seu nome e o nome da universidade "foram utilizados para espalhar desinformação e falsas acusações". Ele também chama a atenção para a gravidade da pandemia e diz que a humanidade, especialmente a comunidade científica, não pode perder tempo com nada além de salvar as pessoas da Covid-19.

"Neste ponto, quando todas as nossas energias são necessárias para tratar os doentes, prevenir a disseminação da tristeza e planejar um novo começo, a transmissão de alegações infundadas sobre as origens da doença é uma distração perigosa", afirma Honjo.

As declarações falsas atribuídas a Honjo circulam em inglês e português. Elas se baseiam na ideia de que o coronavírus é uma arma biológica fabricada pela China, o que vai na contramão de estudos sobre a origem da Covid-19. O argumento do boato é que, se fosse natural, o vírus "não teria afetado o mundo inteiro dessa forma, somente países com temperatura como a da China".

As alegações atribuídas a Honjo já tinham sido desmentidas por outras agências de checagem, como o site indiano NewsMeter, o português Observador e o americano Snopes. Um aluno de Honjo chamado Alok Kumar enviou ao NewsMeter uma nota em nome do professor refutando a história. Ele também compartilhou a história falsa em seu próprio perfil no Facebook, no dia 23 de abril, garantindo que Honjo jamais tinha dado declarações como aquela.

"Isso é fake news. Todas as informações escritas aqui estão erradas. Ele nunca disse nada parecido com isso. Por favor, parem de compartilhar mentiras", pediu o rapaz.

Na nota publicada pelo NewsMeter em 25 de abril, Kumar reafirma que Honjo jamais declarou que o coronavírus foi fabricado. Ele acrescenta, ainda, que o professor nunca trabalhou no laboratório de Wuhan, que uma conta no Twitter criada em nome de Honjo para espalhar a história não pertence a ele e pede novamente que as pessoas não compartilhem o boato.

Honjo se formou na faculdade de Medicina da Universidade de Kyoto, no Japão, em 1966, e dá aulas no local desde 1984. Ele ganhou o Nobel em 2018, junto ao americano James P. Allison, pela descoberta de um tipo de terapia contra o câncer que faz com que as células do sistema imunológico voltem a combater os tumores: a terapia de checagem imunológica.