"É não poder ser você mesmo" - veja relatos de jogadores que se assumiram gays

1 / 3

"É não poder ser você mesmo" - veja relatos de jogadores que se assumiram gays

No dia Internacional contra a Homofobia, a Goal relembra histórias de atletas que superaram os preconceitos para assumir ao mundo o que são

Em 17 de maio é celebrado o Dia Internacional Contra a Homofobia, uma ação de empatia e de combate ao preconceito ao redor do mundo.

O dia foi escolhido por ter sido a data em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças em 1990.

No mundo do futebol, esta causa é ainda uma pauta a debatida ao longo dos anos, principalmente por ser um esporte em que um homem declarado gay ainda é muito criticado e pode até ter a sua carreira interrompida e prejudicada.

A Goal relembra a história de alguns jogadores ao redor do planeta que decidiram assumir a sua orientação sexual e quais foram os passos seguintes em suas carreiras.

Collin Martin

Collin Martin, 23 anos, jogador do Minnesota United, fez uma publicação em junho de 2018, mês em que é celebrado o orgulho LGBT, anunciando a sua orientação sexual.

Tal ato causou grande repercussão, e o norte-americano passou a ser o único jogador assumidamente homossexual em atividade em uma liga nacional relevante no futebol. Collin confessou que passou a responder mais perguntas sobre sua orientação do que sobre suas performances em campo nas coletivas de imprensa.

O brasileiro Ibson (ex-Flamengo e Corinthians), colega de equipe de Martin desde janeiro de 2017, afirmou que sua postura foi “admirável”.

“Não era uma decisão fácil de ser tomada, ainda mais no mundo que vivemos, de tanto preconceito e discriminação”, disse.

Ao assumir-se publicamente, Collin transformou-se em uma espécie de embaixador informal da luta contra a homofobia no futebol.

Thomas Hitzlsperger

O ex-meio-campista de 37 anos teve passagens pelo Aston Villa, Lazio, West Ham, Wolfsburg e Everton. Ele fez parte do elenco da seleção alemã da Copa do Mundo de 2006, além de participar também da Copa das Confederações em 2005 e da Eurocopa 2008.

Thomas assumiu sua homossexualidade em janeiro de 2014, pouco depois de anunciar a sua aposentadoria devido a uma série de problemas físicos mal curados. Atualmente, ele trabalha nas categorias de base do Stuttgart.

Quando sua orientação veio à público, o alemão recebeu muitas críticas, mas recebeu o apoio de alguns colegas de profissão, como Olivier Giroud, atacante do Chelsea, conhecido por ser publicamente favorável à abordagem do tema dentro do futebol e que demonstrou sua empatia em uma entrevista ao jornal Le Figaro, em novembro de 2018.

“É impossível se declarar homossexual no futebol. No vestiário há muita testosterona, todos juntos, chuveiros coletivos... É difícil, mas é assim. Entendo a dor e a dificuldade dos garotos que saem do armário”, disse o jogador na época.

Justin Fashanu

justin fashanu

Uma história trágica e comovente do futebol mundial. Justin Fashanu foi um atacante inglês que viveu anos de glória na sua carreira, mas acabou sendo derrotado pelo preconceito, não somente por sua orientação sexual, como também pelo racismo.

Em 1990, Fashanu deu uma entrevista ao jornal The Sun, admitindo que era homossexual. Ele se tornou o primeiro jogador a assumir sua orientação ao mundo, e isso prejudicou o andamento de sua carreira que teve passagens pelo Norwich, West Ham, Newcastle e Manchester City.

Aos 37 anos, o ex-jogador se suicidou após ter sido acusado de abusar sexualmente de um garoto de 17 anos.

Robbie Rogers

O ex-meio-campista norte-americano teve passagens pelo Heerenven, Leeds United e Los Angeles Galaxy. Revelou ser homossexual em 2013, no mesmo dia em que anunciou sua aposentadoria por acreditar que não havia espaço no futebol para atletas gays.

Pouco depois, recebeu um convite para defender o LA, e atuou no time da Califórnia até 2017, quando desistiu da carreira devido a uma série de lesões.

Matt Pacifici

O ex-jogador da Columbus, time da MLS (Major League Soccer), assumiu sua orientação sexual por meio de seu Instagram, publicando uma foto ao lado de seu companheiro em janeiro deste ano.

Em entrevista ao portal Outsports, o goleiro de 25 anos conta que se sentiu estranho em não fazer parte da parcela de pessoas que postam fotos com seus companheiros nas redes sociais.

"Quando você está em um relacionamento que faz você feliz, e nas redes sociais você vê pessoas postando sobre suas namoradas, parece estranho não fazer parte disso. Você quer que eles saibam. Esse relacionamento é o que mais me faz feliz em toda a minha vida”, afirmou.

Pacifici deixou o futebol norte-americano por conta de um acidente causado durante um treino. Quando tentou defender uma bola, seu colega de equipe acidentalmente acertou um chute na sua testa. Minutos depois, sentado no vestiário, perdeu a memória de onde estava e o que havia acontecido. Ele foi diagnosticado com síndrome de taquicardia postural, que faz com que a pessoa se sinta tonta ao aumentar a frequência cardíaca a cada vez que se levanta após um tempo deitado.

Tal diagnóstico acabou encerrando a sua curta carreira no futebol.

David Testo

Em 2011, o ex-meio-campista do Montreal Impact assumiu a sua homossexualidade em uma entrevista para uma rádio canadense.

“É como transportar em torno de um segredo, e nunca ter a permissão para ser você mesmo”, disse Testo na época.

O ex-jogador encerrou sua carreira no ano seguinte à revelação. Desde então, faz parte do grupo "You Can Play", uma iniciativa que visa combater a homofobia nos esportes em território norte-americano.

Mais no Yahoo Esportes: