'É para interferir mesmo', diz Bolsonaro sobre PF e Receita

GUSTAVO URIBE
BRASÍLIA, DF, 21.08.2019: JAIR-BOLSONARO - O presidente Jair Bolsonaro participa do 30º Congresso Aço Brasil, no CICB (Centro Internacional de Convenções do Brasil), em Brasília, nesta quarta-feira. (Foto: Mateus Bonomi/Agif/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em uma reação às críticas de que tem interferido na Polícia Federal e na Receita, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que foi eleito justamente para tomar decisões e repetiu que não será um "banana" ou um "poste" no exercício do mandato.

"Houve uma explosão junto à mídia no Brasil, uma explosão. Está interferindo? Ora, eu fui [eleito] presidente para interferir mesmo, se é isso que eles querem. Se é para ser um banana ou um poste dentro da Presidência, tô fora", disse nesta quarta (21) na abertura do Congresso Aço Brasil.

A pedido do presidente, foi anunciada a troca do comando da superintendência da PF no Rio de Janeiro.

"Na Polícia Federal, eu indiquei o Moro. E o Moro indicou o diretor-geral. E ali, no quarto escalão, há as superintendências. Onze já foram mudadas. Quando apareceu a do Rio de Janeiro, eu fiz uma sugestão de pegar o superintendente de Manaus", disse Bolsonaro nesta quarta.

A PF do Rio passa por momento delicado, especialmente após o caso Fabrício Queiroz, PM aposentado e ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Ele é pivô da investigação do Ministério Público do Rio que atingiu o senador e primogênito do presidente.

Também após interferência do presidente foi afastado o subsecretário-geral da Receita Federal, João Paulo Ramos Fachada, que vinha se posicionando contra ingerências políticas.

Bolsonaro ressaltou nesta quarta que a Receita Federal "tem problemas" e que, por isso, deve haver novas mudanças, sem especificá-las. Uma das possibilidades cogitadas é a troca do secretário especial, Marcos Cintra.

"A Receita Federal tem problemas. Faz um bom trabalho, mas tem problemas. E devemos resolver esses problemas trocando gente", disse.

A saída em massa de seis subsecretários e três coordenadores gerais da Receita chegou a ser articulada como protesto contra as interferências do Planalto, mas a avaliação da equipe foi que a medida só atenderia os interessados na ampla substituição de dirigentes da instituição.

O cargo do subsecretário de Fiscalização da Receita, Iágaro Martins, por exemplo, também está em risco. Ele é visto como um integrante do órgão ligado ao Ministério Público e vem sendo criticado nos bastidores após investigações envolvendo a família de Bolsonaro.

No caso da Receita, Bolsonaro acusa auditores de perseguição a seus parentes, que, segundo ele, sofreram uma "devassa".