É perigoso acordar um sonâmbulo? Saiba o que fazer

Falar enquanto dorme, abrir a geladeira e comer alimentos, fazer xixi fora do banheiro e pular da janela. Essas são algumas das coisas que as pessoas podem fazer durante o sonambulismo, um comportamento geralmente benigno, mas que pode ser perigoso em alguns casos raros. De acordo com o portal IFLScience, estima-se que cerca de 18% das pessoas sofrem de sonambulismo pelo menos uma vez na vida. Então, o que exatamente é sonambulismo?

Primeiro, é importante entender quantas de nossas atividades diárias não exigem atenção ativa. O córtex pré-frontal é o centro de controle consciente, deliberado e de tomada de decisões do cérebro. Você pode decidir levantar e andar usando seu córtex pré-frontal, mas a coordenação complexa de estímulos sensoriais e dos músculos que vem depois não requer nenhuma atenção. Em vez disso, é executado em sua maioria por uma rede de células nervosas especializadas ao longo da parte inferior do cérebro e da medula espinhal. Segundo o portal IFLSciencie, algumas vezes eles são chamados de “geradores de padrão central”, estas áreas governam automaticamente movimentos e ações básicas relacionadas à sobrevivência, como o caminhar.

O distúrbio do comportamento do sono REM é uma perturbação em que a pessoa reage a sonhos desagradáveis com sons e movimentos enquanto ainda está dormindo, podem realizar seus sonhos mesmo mantendo os seus olhos fechados. O sonambulismo surge de um estágio mais profundo do sono não-REM, que é chamado de “sono de onda lenta''.

Neste estado, o córtex, incluindo o pré-frontal, está essencialmente desligado. Quando alguém é despertado desta fase, geralmente fica atordoado, cochila novamente ou volta plenamente a consciência para aquele momento, eles estão em estado intermediário entre o estar dormindo e o acordado.

Quando sonâmbulo, o córtex pré-frontal permanece inativo para que a pessoa não tenha controle executivo deliberado sobre suas ações. Mas outras partes de seu cérebro estão ativas, e o corpo é capaz de muita coisa sem envolver o córtex pré-frontal. Os sonâmbulos evitam obstáculos, mas andam e falam. Embora muitas vezes pareça um absurdo, a maioria dos sonâmbulos pode fazer coisas básicas, operando em um estado pacífico, sem sonhos e sem emoção.

Em casos raros, os sonâmbulos executam tarefas mais complexas como cozinhar e dirigir. E alguns episódios envolvem o cérebro sistema de luta ou fuga do cérebro, em que a pessoa pode sentir de repente um perigo iminente e gritar, chorar ou mesmo dar um pulo da cama. Estes episódios, chamados de “terrores noturnos”, são mais comuns em crianças pequenas e geralmente se resolvem naturalmente com o tempo. De fato, o sonambulismo é geralmente mais comum em crianças, talvez porque as áreas cerebrais que controlam a transição entre o sono e o estar acordado ainda estão se desenvolvendo.

Mas os mecanismos exatos que causam o sonambulismo permanecem pouco claros. Muitos casos parecem ser hereditários, passado de família, enquanto outros são mais misteriosos. Qualquer coisa que possa levar ao despertar é pensado para aumentar a probabilidade de sonambulismo, isto inclui fatores que promovem um sono mais profundo de onda lenta como sedativos, ambientes quentes, coisas que perturbam o sono, como o estresse e outros distúrbios do adormecer, como a apnéia do sono e a síndrome das pernas inquietas.

Os médicos geralmente avaliam estes fatores e promovem hábitos que ajudam no sono saudável, como o exercício, controle do estresse, e um horário de sono consistente e suficiente. Eles também recomendam frequentemente medidas de segurança como esconder itens perigosos, instalação de alarmes de portas e janelas de segurança.

Se isto não ajudar, eles consideram certos medicamentos. Mas muitos dos tratamentos disponíveis para sonambulismo ainda não foram rigorosamente estudados. Assim, não está totalmente claro como funcionam e se realmente são eficazes.

Um equívoco comum é o de que despertar um sonâmbulo pode causar danos irreparáveis. Isto não é verdade. Entretanto, tentar despertá-los à força pode causar confusão e angústia. A melhor prática é guiá-los gentilmente de volta para a cama e se resistirem, é importante garantir que eles estejam seguros até que o episódio acabe sozinho.