É preciso estudar cavernas de morcegos da China em busca da origem do Covid, diz OMS

David Kirton e David Stanway
·2 minuto de leitura
Membros de equipe da OMS em trajes de proteção durante visita a centro de prevenção de doenças animais em Wuhan, na China

Por David Kirton e David Stanway

WUHAN, China (Reuters) - Um membro da equipe liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que busca pistas da origem da Covid-19 na cidade chinesa central de Wuhan disse que é preciso tentar rastrear os elementos genéticos do vírus em cavernas de morcegos.

Peter Daszak, zoólogo e especialista em doenças animais, disse que a equipe em Wuhan vem recebendo informações de como o vírus, identificado primeiramente na cidade no final de 2019, levou a uma pandemia. Ele não entrou em detalhes, mas disse que não há indícios de que ele surgiu em um laboratório.

A origem do coronavírus se politizou muito depois das acusações, sobretudo dos Estados Unidos, de que a China não foi transparente na maneira como lidou com o surto no princípio. Pequim ventilou a hipótese de que o vírus surgiu em outro local.

Daszak se envolveu na pesquisa da origem da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) em 2002-2003, rastreando-a em morcegos que viviam em uma caverna de Yunnan, uma província do sudoeste.

"É preciso fazer uma pesquisa semelhante se formos encontrar a verdadeira origem (da Covid-19) na vida selvagem", opinou Daszak, presidente da EcoHealth Alliance, sediada em Nova York.

"Este tipo de trabalho para encontrar a fonte provável em um morcego é importante porque, se você conseguir encontrar as fontes destes vírus letais, pode diminuir os contatos com estes animais", explicou ele à Reuters em uma entrevista.

Não está claro se atualmente a China está estudando suas muitas cavernas de morcegos, mas vírus semelhantes ao SARS-CoV-2 já foram encontrados em Yunnan.

"Estou vendo um quadro surgindo de algumas das possibilidades que parece mais plausível do que antes", disse Daszak.

Uma possibilidade sendo analisada mais atentamente pela equipe é a de que o vírus podia estar circulando muito antes de ser identificado em Wuhan.

"Isto é algo que nosso grupo está analisando muito intensamente para ver qual nível de transmissão comunitária podia estar acontecendo antes", disse Daszak.

"O verdadeiro trabalho que estamos fazendo aqui é rastrear desde os primeiros casos até um reservatório animal, e esta é uma rota muito mais tortuosa, e pode ter acontecido ao longo de vários meses, ou mesmo anos."

Os investigadores estão visitando hospitais, instalações de pesquisa e o mercado de frutos do mar onde o primeiro surto foi identificado, mas seus contatos em Wuhan são limitados a visitas organizadas por seus anfitriões chineses.

(Por David Stanway em Xangai e David Kirton em Wuhan)