'É um criminoso em série', diz delegada sobre anestesista preso por estupro de paciente

A delegada Bárbara Lomba, titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de São João de Meriti, disse que o médico anestesista Giovanni Quintella Bezerra, preso por abusar de uma paciente, “é um criminoso em série” e que ele “sedava as vítimas para cometer os crimes”. A policial informou que vai mandar nesta quarta-feira para o Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) o celular, os remédios ministrados por ele e a gaze com possíveis restos de materiais biológicos do médico. Ele é investigado por seis casos.

'Operação flagrante': Veja, passo a passo, como equipe de enfermagem desmascarou anestesista preso

Dopada no parto: 'Não pude pegar meu filho no colo antes de ele falecer', diz paciente sedada por médico preso por estupro

— A gente já sabe que a sedação era desnecessária. Acredito que ele as sedava para cometer o crime. Por conta disso, ele já comete também uma violência obstétrica por conta da sedação desnecessária — informou a delegada, que completou:

— Pela repetição, são ações criminosas que observamos e, pela característica compulsiva das ações dele, podemos dizer que ele é um criminoso em série.

Novos depoimentos: 'Só lembro a voz dele. Ele falava baixinho no meu ouvido', disse mulher que registrou queixa contra anestesista

A policial disse que também vai mandar para o ICCE os prontuários das vítimas para saber o que cada medicação faz no corpo de uma pessoa.

— Quero saber o que faz esses remédios, para que serve, o objetivo dessa medicação — pontuou.

Sedação excessiva: Remédios usados por anestesista preso nas pacientes é 'extremamente raro' em cesarianas, diz especialista

Crime chocante: 'Em quase 50 anos como médico, nunca vi nada parecido', diz presidente do Cremerj sobre anestesista preso por estupro

A delegada disse que o Hospital da Mulher, em São João de Meriti, mandou apenas o prontuário da vítima, que teve o crime gravado e as imagens foram usadas para o flagrante, e informações das duas pacientes que foram atendidas por Giovanni horas antes. Entretanto, a unidade de saúde enviou apenas dados pessoais dessas duas mulheres.

— Mandaram o prontuário da vítima abusada e informações de duas outras pacientes. O hospital foi solicitado a mandar as informações de todas as pacientes que ele atendeu nos últimos meses. Mas ainda não mandou. Neste momento estamos investigando seis casos: cinco no Hospital da Mulher e um no Hospital da Mãe, em Mesquita.

Material foi usado para limpar boca de grávida: Gaze usada por anestesista preso por estupro é entregue por enfermeiras à polícia

Relato: ‘Ainda desacordada, veio suja da cirurgia’, diz mãe de outra paciente sedada por médico

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos