Élcio Franco disse que tomou cloroquina e outros medicamentos sem eficácia comprovada contra Covid

·1 minuto de leitura
**ARQUIVO** BRASÍLIA, DF, 24-08-2020: O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, durante cerimônia no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
**ARQUIVO** BRASÍLIA, DF, 24-08-2020: O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, durante cerimônia no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Élcio Franco disse nesta quarta-feira (9), em depoimento à CPI da Covid, que tomou hidroxicloroquina para combater a Covid-19. Ele afirmou que teve de 25% a 50% do pulmão comprometido, mas poderia ter o caso agravado caso não tomasse o medicamento —que não tem eficácia comprovada contra a doença.

"O médico me recomendou, eu tomei na fase viral hidroxicloroquina, ivermectina, nitazoxanida, depois anticoagulantes e antibióticos também. O médico me recomendou e eu aceitei. Eu fui internado porque tive de 25 a 50% do pulmão comprometido e ainda estou em reabilitação."

Ao ser questionado se mesmo tomando os medicamentos teve esse percentual de comprometimento do pulmão, afirmou que o quadro poderia ter sido mais acelerado e ficar pior caso não os tomasse. Ele já havia dito que defende o "atendimento precoce" com o uso de medicamento que o respectivo médico achar oportuno.

"Nossa gestão defendia o atendimento precoce do paciente, com medicamento que o médico julgar oportuno dentro da sua autonomia. Se for usar medicamento off label, que faça o esclarecimento para o paciente", afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos