Ícone da Tropicália, cantora Gal Costa morre aos 77 anos

Gal Costa em apresentação em Vigo, na Espanha, em julho de 2006

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - A cantora Gal Costa, uma das vozes mais marcantes e populares do Brasil nas últimas décadas e ícone da Tropicália, movimento que marcou a música popular no final da década de 1960, morreu aos 77 anos, informou a assessoria de imprensa da artista nesta quarta-feira.

A causa da morte não foi divulgada, assim como qualquer outro detalhe sobre o falecimento da cantora.

Maria da Graça Costa Penna Burgos nasceu em Salvador e iniciou a carreira de cantora na década de 1960, após conhecer Caetano Veloso. Ao lado dele, foi uma das principais figuras do Tropicalismo, movimento que teve também entre seus expoentes Maria Bethânia, Gilberto Gil e Tom Zé.

Gil, que atualmente é membro da Academia Brasileira de Letras, lamentou a morte da amiga em sua conta no Twitter.

"Muito triste e impactado com a morte de minha irmã Gaúcha @GalCosta", escreveu.

Em entrevista à GloboNews, Bethânia se disse "em choque" e "triste demais" com a morte da amiga.

"Eu nunca pensei um dia chegar a vocês para falar sobre a dor de perder Gal. O Brasil que ela sempre encantou com sua voz única, magistral hoje inteiro chora, como eu", disse.

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva também comentou a morte de Gal Costa, a quem chamou de uma "das maiores cantoras do mundo, das nossas principais artistas a levar o nome e os sons do Brasil para todo o planeta".

"O país, que Gal Costa cantava para mostrar sua cara, hoje perde uma de suas grandes vozes. Mas o legado, a obra, a lembrança e as canções serão eternas como seu nome Gal. Meus sentimentos e solidariedade aos familiares, amigos e milhões de admiradores", escreveu Lula.

A cantora manifestou apoio ao petista durante a eleição presidencial deste ano em suas redes sociais.

A também cantora Zélia Duncan também lamentou a morte de Gal, afirmando sentir um "vazio" e uma "tristeza sem fim".

Além do mundo político e cultural, a morte da cantora gerou comoção também no mundo esportivo. Clubes de Salvador, Bahia e Vitória lamentaram a morte de Gal, assim como Corinthians, Flamengo, Palmeiras, Cruzeiro e Botafogo, entre outros, que também se manifestaram em suas redes sociais.

Com influências externas, como o uso da guitarra elétrica, a Tropicália surgiu no final da década de 1960, no auge da censura prévia durante a ditadura militar e gerando polêmica entre defensores fervorosos da MPB que criticavam o que viam como estrangeirismos na música brasileira.

No mês passado, a cantora cancelou o show que faria no festival Primavera Sound e todas as apresentações até o final deste mês de novembro enquanto se recuperava de um procedimento para retirada de um nódulo na fossa nasal.

Entre os maiores sucessos da cantora estão "Chuva de Prata", "Dia de Domingo", em dueto com Tim Maia, e "Modinha para Gabriela", que foi tema de abertura da novela "Gabriela", da TV Globo, baseada no romance "Gabriela, Cravo e Canela", de Jorge Amado.