Índia aprova Sputnik V e agiliza autorização para vacinas estrangeiras em meio a avanço da Covid-19

com agências internacionais
·3 minuto de leitura

RIO — A Índia autorizou o uso da vacina russa Sputnik V contra a Covid-19, afirmou nesta terça-feira um importante fabricante local de medicamentos. O país também anunciou que vai agilizar as aprovações para os imunizantes contra a doença autorizados por governos no exterior, o que pode acelerar a vacinação do país, que luta para controlar um grande aumento de infecções pelo coronavírus.

"Estamos muito felizes de ter obtido a autorização do uso emergencial para a Sputnik V na Índia", afirmou em um comunicado G.V. Prasad, copresidente e diretor-gerente da farmacêutica indiana Dr. Reddy's. "Com o aumento de casos na Índia, a vacinação é a ferramenta mais eficaz em nossa batalha contra a Covid-19", completou Prasad.

A Sputnik V é a terceira vacina contra a doença aprovada pelo país, depois do fármaco desenvolvido por Oxford e AstraZeneca e da Covaxin, da empresa indiana Bharat Biotech.

Segundo os acordos de produção assinados pelo Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF, na sigla em inglês), que promove a vacina, o fabricante indiano produzirá 852 milhões de doses da Sputnik V.

Aprovação acelerada

Um painel do governo recomendou que vacinas contra a Covid-19 aprovadas por reguladores de medicamentos nos EUA, Reino Unido, União Europeia, Japão ou que estão listadas na Organização Mundial de Saúde (OMS), possam receber aprovação de uso emergencial no país do sul da Ásia, de acordo com o Ministério da saúde indiano.

A medida eliminará a necessidade de as empresas fazerem pequenos testes locais de segurança para suas vacinas antes de buscar a aprovação emergencial. Esses testes agora podem ocorrer depois que as vacinas forem liberadas para uso.

"Os primeiros 100 beneficiários de tais vacinas estrangeiras serão avaliados por sete dias para resultados de segurança antes de serem lançadas", disse o Ministério da Saúde em um comunicado.

A decisão foi tomada um dia depois que a Índia relatou outro aumento recorde em novas infecções por Covid-19.

A Índia se tornou a segunda nação mais atingida pela doença do mundo, tendo ultrapassado o Brasil na segunda-feira com um aumento acentuado nas novas infecções diárias nos últimos 10 dias, elevando sua contagem total para quase 13,7 milhões de casos. Na terça-feira, o país registrou 161.736 novos casos e 879 mortes — mais de quatro vezes a média diária de janeiro.

A nova onda de Covid-19 motivou restrições ou confinamentos parciais em muitos estados e territórios gravemente afetados.

No entanto, centenas de milhares de hindus devotos devem se banhar no rio Ganges na quarta-feira, o terceiro dia de um festival de uma semana, mesmo com os picos de infecções por coronavírus levando críticos do governo a exigir o cancelamento de tais eventos gigantescos.

O país, maior fabricante mundial de vacinas, iniciou a campanha de vacinação em janeiro e administrou até agora mais de 106 milhões de doses de Covid-19, mas muitos estados estão ficando sem suprimentos.

A Índia quer que a Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson busquem licença para suas vacinas contra a Covid-19 o mais rápido possível, disse um alto funcionário do governo indiano nesta terça-feira, após o governo anunciar que agilizaria o processo de aprovações emergenciais.