Índia bate recorde de casos de coronavírus, Mumbai prepara novo lockdown

Shilpa Jamkhandikar e Sumit Khanna
·2 minuto de leitura
Profissional de saúde coloca corpo de homem que morreu de Covid-19 em ambulância em hospital de Ahmedabad, na Índia

Por Shilpa Jamkhandikar e Sumit Khanna

MUMBAI/AHMEDABAD, Índia (Reuters) - As novas infecções pelo coronavírus da Índia atingiram um nível recorde nesta quarta-feira, e Mumbai se prepara para um novo lockdown a partir da meia-noite, mas centenas de milhares de peregrinos continuavam chegando para um festival religioso no norte do país.

A Índia relatou 184.372 casos nas últimas 24 horas, mostraram dados do Ministério da Saúde, o que eleva o total de infecções a 13,9 milhões. As mortes aumentaram em 1.027 e somam 172.085.

Depois de relatar menos de 10 mil casos por dia no início deste ano, a Índia se tornou o país mais assolado a partir de 2 de abril. O governo culpa uma incapacidade generalizada de cumprir as restrições à circulação e à interação social na população de 1,39 bilhão de habitantes.

O aumento de casos ocorre no momento em que o maior Estado indiano, Maharashtra, o epicentro da segunda onda nacional, está prestes a entrar em um lockdown total até o final de abril para conter a disseminação do vírus. O Estado responde por cerca de um quarto do total de casos de coronavírus do país.

Mumbai, a capital comercial indiana, estava repleta de compradores que faziam estoques antes de o lockdown entrar em vigor.

"Não sabemos se poderemos montar nossas barracas a partir de amanhã, então estamos pedindo aos nossos clientes que estoquem o máximo possível hoje", disse Susheela, uma vendedora de vegetais que trabalha na rua e só usa o primeiro nome.

Havia grandes filas diante de muitos mercadinhos. Em outros locais, hospitais particulares sobrecarregados estavam recusando pacientes, o que aumenta o fardo das instalações governamentais.

Em Gujurat, um Estado do oeste, uma testemunha da Reuters viu uma fila grande de ambulâncias esperando diante do Hospital Civil Ahmedabad nesta quarta-feira e alguns pacientes sendo tratados em seu interior enquanto aguardavam.

"Minha esposa foi diagnosticada com Covid-19 no domingo. Chamamos uma ambulância hoje de manhã para levá-la ao hospital porque ela estava com dificuldade para respirar", contou Becharbhai Waghela, que acompanhava a esposa, Shantaben, de 61 anos, à Reuters.

Apesar do quadro, centenas de milhares de hindus devotos se reuniram para se banhar no Rio Ganges na cidade de Haridwar, no norte, nesta quarta-feira, o terceiro dia de banhos do festival Kumbh Mela, que dura semanas.

(Por Shilpa Jamkhandikar em Mumbai, Anushree Fadnavis em Haridwar, Saurabh Sharma em Lucknow, Amit Dave e Sumit Khanna em Ahmedabad e Rama Venkat em Bengaluru)