Índia congela contas de entidade de Madre Teresa após tensão religiosa no Natal

·1 min de leitura
Árvore de Natal em Mumbai, na Índia

Por Manoj Kumar

NOVA DÉLHI (Reuters) - O governo do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, congelou nesta segunda-feira as contas bancárias dos Missionários da Caridade de Madre Teresa de Calcutá (MoC) em Bengala Ocidental, informou o líder político do Estado, na esteira de protestos contra as comemorações de Natal no final de semana.

Grupos de justiceiros hindus interferiram em missas natalinas em partes da Índia, inclusive no bastião de Modi, antes das eleições locais dos próximos meses.

Entidades hindus extremistas filiadas ao partido do premiê já acusaram o MoC várias vezes de comandar programas de conversão religiosa disfarçados de caridade oferecendo dinheiro, educação gratuita e abrigo a hindus e comunidades nativas pobres.

"Chocado de ouvir que, durante o Natal, o Ministério da União CONGELOU TODAS AS CONTAS BANCÁRIAS dos Missionários da Caridade de Madre Teresa de Calcutá na Índia!", tuitou Mamata Banerjee, o ministro-chefe do Estado.

"Seus 22 mil pacientes e empregados foram deixados sem alimentos e remédios. Embora a lei seja soberana, esforços humanitários não devem ser comprometidos", disse Banerjee, político de oposição e crítico contundente do governo Modi.

Vencedora do Prêmio Nobel da Paz, Madre Teresa de Calcutá, freira católica falecida em 1997, fundou os Missionários da Caridade em 1950.

Sediado em Bengala Ocidental, o MoC tem mais de três mil freiras que administram casas de repouso, cozinhas comunitárias, escolas, colônias de leprosos e lares para crianças abandonadas em todo o mundo.

(Por Manoj Kumar, Saurabh Sharma, Subrata Nagchoudhury e Rupam Jain)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos