Órgão de direitos humanos da ONU denuncia bombardeios na Etiópia

·1 min de leitura
Aldeões retornam para cidade de Yechila, passando por dezenas de veículos queimados, em Tigré, na Etiópia

Por Emma Farge

GENEBRA (Reuters) - O escritório do Alto Comissariado de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ACNUDH) expressou nesta sexta-feira indignação em relação a "várias informações profundamente perturbadoras" sobre ataques aéreos na região de Tigré, na Etiópia, dizendo que pelo menos 108 civis foram mortos desde o início de janeiro.

Liz Throssell, porta-voz do escritório, descreveu diversos ataques, um deles sobre um ônibus particular, outro a um aeroporto e outro a um acampamento para desabrigados, afirmando que pelo menos 59 pessoas morreram no ataque ao acampamento, o que faz dele o mais letal.

"Pelo menos 108 civis foram mortos e 75 outros feridos desde o início do ano como resultado de ataques aéreos supostamente conduzidos pela Força Aérea etíope", afirmou Throssel a jornalistas em Genebra.

Ela pediu que as autoridades etíopes e seus aliados garantam a proteção dos civis de acordo com a lei internacional, que requer a verificação de que os alvos de ataques sejam militares.

"A falha em respeitar os princípios de distinção e proporcionalidade pode representar crimes de guerra", disse.

O porta-voz das Forças Militares da Etiópia, coronel Getnet Adane, e o porta-voz do governo, Legesse Tulu, não responderam imediatamente a um pedido por comentários sobre os supostos ataques.

O governo negou anteriormente ter tido civis como alvo de ataques no conflito que já dura 14 meses com as forças rebeldes do Tigré.

(Reportagem adicional de Dawit Endeshaw e George Obulutsa)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos