Última mensagem de brasileiro morto na Itália falava em 'mais sexo e drogas'

Um italiano, que prefere se manter em anonimato, revelou as últimas palavras enviadas por Gabriel Luiz Dias da Silva a ele no WhatsApp, antes de o modelo de 27 anos ser encontrado morto na Itália, na quinta-feira da semana passada. Segundo o rapaz, os dois tiveram um relacionamento de meses, mas terminaram o namoro antes do Natal. Pouco após se comunicar com ex, por volta das 23h30 de quarta-feira, o instrutor fitness teria parado de receber mensagens no aplicativo. A informação foi revelada pelo jornal Corriere della Sera.

Brasileiro morto na Itália: idoso é suspeito da morte de jovem pós festa com 'sexo e drogas'

'Enterro digno': família de brasileiro morto na Itália faz vaquinha online para trazer o corpo ao Brasil

"Ontem voltei para o Cláudio. Mais sexo e drogas. Estou perdendo muitos quilos, mas não consigo parar", escreveu ele. Cláudio é a maneira como Gabriel se refere Gianclaudio Dalla Benetta, o idoso de 71 anos identificado pela polícia da província de Pádua, no norte do país, como o principal suspeito da morte dele. O brasileiro foi achado sem vida com um saco na cabeça, em um apartamento onde na noite anterior houve uma festa com álcool, drogas e sexo.

O ex-companheiro do modelo afirma que Gabriel havia tentado se "desintoxicar" durante o relacionamento que tiveram, mas confessou estar viciado após o término. Segundo o relato, ele era usuário de um entorpecente sintético conhecido como "a droga zumbi".

— Posso garantir que Cláudio não era seu sócio. Era apenas um cliente que se apaixonou por Gabriel. E ele sempre aceitava ir para lá, porque [Cláudio] pagava bem. O dinheiro, os jantares fora, a boa vida... Eram a forma como Cláudio o mantinha perto de si — relatou o jovem italiano ao veículo.

Golpe na formatura: estudantes de Medicina da USP acusam colega de ter desviado R$ 920 mil

— A última vez que o vi foi um dia antes dessa festa. Ele havia me confessado que, desde o dia 26 de dezembro, ou seja, depois que terminamos, voltou a ser acompanhante e a se drogar. Precisava disso para sustentar aquela vida, que se sentia obrigado a ter para ganhar dinheiro. Os "bicos", como o de instrutor fitness, não bastavam — complementou.

A família de Gabriel lançou uma campanha de arrecadação na internet para trazer o corpo do modelo ao Brasil para o enterro. Os custos do translado, de acordo com as informações compartilhadas pelos pais dele no site da vaquinha online, totalizam € 7 mil, o equivalente a R$ 40 mil. Até a publicação desta reportagem, a campanha dos familiares, iniciada neste sábado, arrecadou pouco mais de R$ 11,3 mil.

"No dia 12 de janeiro de 2023, perdemos uma das pessoas mais importantes pras nossas vidas, Gabriel Luiz Dias da Silva. Nosso menino estava morando em Milão, realizando seus sonhos. Gabriel sempre foi muito amado e querido por todos os seus amigos e familiares aqui no Brasil e na Itália. Agora, precisamos de todos para nos ajudar a trazer Gabriel de volta e dar um enterro digno de muito amor e carinho", escreveu o pai Luciano Luiz Silveira da Silva, o responsável pela conta que vai juntar o dinheiro.

Tortura, estupros, rostos desfigurados: suposto serial killer teria atacado pelo menos dez garotas de programa, diz polícia de Goiás

Suzane von Richtofen e Guilherme de Pádua: saiba motivo de eles saírem da prisão antes do fim das sentenças

Gianclaudio e Gabriel tinham um relacionamento amoroso, de acordo com a imprensa local. O homem, um consultor financeiro aposentado, admitiu em depoimento que encontrou o brasileiro morto após uma noitada com participação de outras pessoas.

Aos policiais, Gianclaudio explicou que Gabriel acordou, mas sentiu uma indisposição após o café da manhã. Na versão do suspeito, o brasileiro "passou mal, tomou uns remédios e voltou para a cama". A vítima teria passado mais de 24h sozinha no quarto, até que o italiano o achou morto.

— Pensei que estivesse dormindo — afirmou Gianclaudio. Foi o próprio italiano quem ligou para o serviço de emergência.

Uma investigação foi aberta para apurar os fatos. O primeiro passo na elucidação das circunstâncias da morte foi dado pela Seção de Investigação Científica, que vasculhou o apartamento enquanto Gianclaudio era encaminhado para depor.

Acusado de homicídio: brasileiro foragido da Justiça do ES é preso nos EUA

Os policiais também tentam identificar quem mais passou pelo imóvel no dia da festa. Os agentes apreenderam os celulares da vítima e do suspeito, além de um notebook. Um exame toxicológico também foi realizado.

Gabriel frequentava o apartamento de Gianclaudio, tinha as chaves do imóvel e era visto pelos vizinhos regularmente, conforme apurou o jornal italiano "Corriere Della Sera". Os dois mantinham um relacionamento desde 2019, quando se conheceram, e os contatos ficaram mais assíduos nos últimos meses.