1º dia de propaganda eleitoral: Lula fala da fome e Bolsonaro cita Auxílio Brasil

Lula e Bolsonaro (Foto: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images/ EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Lula e Bolsonaro (Foto: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images/ EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

Este sábado (27) foi marcado pelo início da veiculação da propaganda eleitoral gratuita dos candidatos à Presidência da República.

Em sua estreia no rádio, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que a fome avança pelo país. O candidato disse que o litro de leite está mais caro do que a gasolina e que durante seu governo os brasileiros tinham condições de fazer um “churrasquinho”.

"Meus amigos, minhas amigas. Peço a Deus que ilumine esta nação e nos ajude a reconstruir o Brasil. É um grande prazer encontrar vocês aqui para conversar sobre o futuro do país. A alegria só não é completa porque, neste momento, milhões não têm o que comer", anunciou Lula.

O presidente Jair Bolsonaro (PL), por sua vez, apelou para o programa Auxílio Brasil, que destina R$ 600 para os brasileiros mais pobres.

Candidato à reeleição, o presidente prometeu estender o benefício no ano, além de aumentar o seu valor. Ele também explicou que a pandemia da covid-19 prejudicou a economia do país.

O candidato do PDT, Ciro Gomes, conforme informou o portal g1, afirmou que é o único presidenciável que propõe uma renda mínima de R$ 1 mil para famílias carentes.

Ele também comentou que irá propor, se eleito, uma Lei Antiganância, que limitaria o pagamento de juros ao dobro do valor original da dívida.

"O que eu quero é isso. Criar um Brasil onde ninguém fica para trás e coloca os mais pobres na frente. Criar renda mínima, colocar a educação brasileira entre as 10 melhores do mundo e criar 5 milhões de empregos", discorreu Ciro.

A propaganda de Simone Tebet (MDB) começou descrevendo as características pessoais dela, informando, por exemplo, que ela é mãe, casada, professora universitária e senadora.

Também foi relatado que a candidata enfrentou resistência dentro de seu próprio partido para que fosse lançada como candidata ao Palácio do Planalto.

"Tudo para mulher é mais difícil”, destacou ela.

Soraya Thronicke (União Brasil) argumentou que o país não pode errar de novo, e listou os motivos que a levam a querer ser presidente.

Por último, Felipe d’Avila, do partido Novo, usou seu tempo para criticar os adversários, que segundo ele “destroem o orgulho de ser brasileiro”.

Veja como foram as últimas pesquisas eleitorais de 2022:

Qual a data das Eleições 2022?

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 2 de outubro, um domingo. Já o segundo turno – caso necessário – será disputado no dia 30 de outubro, também um domingo.

Veja a ordem de escolha na urna eletrônica nas Eleições 2022

  1. Deputado federal (quatro dígitos)

  2. Deputado estadual (cinco dígitos)

  3. Senador (três dígitos)

  4. Governador (dois dígitos)

  5. Presidente da República (dois dígitos)