Mais de 100 combatentes mortos nas últimas 48 horas na Síria

Um jovem sírio caminha sobre os escombros de um prédio destruído por ataques aéreos de forças do governo na cidade de Al Haraki, na província de Idlib, em 1 de dezembro de 2019 a noroeste da Síria

Ao menos 101 combatentes e 15 civis morreram nos violentos combates das últimas 48 horas entre as forças governamentais e milicianos rebeldes e jihadistas na província de Idlib, noroeste da Síria, anunciou a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

"Desde o início de segunda-feira foram registrados combates violentos em vários eixos do sudeste de Idlib", afirmou a ONG.

Nas últimas 48 horas morreram 51 soldados do governo e 47 combatentes das forças rebeldes e jihadistas.

Na segunda-feira, 15 civis morreram, 13 deles em um mercado, em atentados do governo contra localidades controladas por insurgentes, informou o OSDH.

A província de Idlib é controlada pelos jihadistas do grupo Hayat Tahrir al Sham (HTS), ex-braço sírio da Al-Qaeda.

Esta região e alguns setores próximos das províncias de Aleppo, Hama e Latakia escapam do controle do governo sírio.

Apesar da trégua anunciada em 31 de agosto, os combates terrestres prosseguiram, em um primeiro momento de forma esporádica e nas últimas semanas de forma mais intensa.

Desde o início do cessar-fogo, 160 civis, incluindo 45 crianças, morreram nos bombardeios, principalmente governamentais, segundo o OSDH.

Em outubro, o presidente sírio Bashar al-Assad fez sua primeira visita à província desde o início da guerra em 2011.

Desde o início do conflito sírio, 370.000 pessoas morreram e milhões foram obrigadas a abandonar suas casas.