14 pontos que CPI do Senado sobre Covid pode apurar sobre o governo Bolsonaro

Redação Notícias
·4 minuto de leitura
O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) deu entrevista exclusiva ao Yahoo Notícias! nesta quinta-feira, 15 (Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil)
O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) listou as possíveis ações do governo federal que podem ser alvo da investigação na CPI da Covid-19 no Senado. (Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil)

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) listou, ao menos, 14 pontos que poderão ser investigados pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 a respeito em relação à atuação do governo Jair Bolsonaro no combate à pandemia.

Antes de elencar os possíveis temas a serem apurados, Randolfe questionou: "do que Bolsonaro tem medo?". Segundo o parlamentar, a comissão poderá apurar:

  • O atraso na compra de vacinas da Pfizer;

  • Falha grosseira na aquisição de seringas, insumos, equipamentos e na estruturação do Sistema de Saúde;

  • Gasto exacerbado com medicamentos sem eficácia comprovada;

  • Aglomerações causadas pelo presidente e sua comitiva em todo o país;

  • Em meio à pandemia, superfatura nas compras do Governo;

  • Omissão diante das mortes por falta de oxigênio em Manaus;

  • Negligência diante da escassez do kit intubação;

  • Incompetência na distribuição de vacinas, especialmente em relação à logística;

  • Negacionismo, discurso de sabotagem às medidas de isolamento;

  • O não uso e o incentivo ao não uso de máscaras;

  • Tentativa de maquiar número de mortes por COVID;

  • Falta de transparência na divulgação de casos;

  • Ataques aos poderes;

  • Desgaste das relações internacionais que nos garantiriam melhor negociação de vacinas;

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Autor do requerimento que pede a criação da CPI, Randolfe foi alvo de intimidações e ofensas por parte de Bolsonaro, que ameaçou "sair na porrada com um bosta desses", se referindo ao parlamentar. As falas constam em um novo trecho da conversa gravada e divulgada pelo senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO).

No domingo (11), o parlamentar publicou em suas redes sociais a gravação de uma conversa telefônica entre ele e Bolsonaro. Em um dos momentos, Bolsonaro pede a Kajuru que trabalhasse pela ampliação do escopo da CPI para que investigue também prefeitos e governadores.

Na visão de parlamentares da oposição, a conversa telefônica deixou clara a tentativa do presidente de interferir na CPI da Covid-19, que deve ser instalada no Senado nesta semana.

O próprio presidente afirmou a apoiadores que "falou mais coisas" além do que foi divulgado pelo senador.

"Fui gravado em uma conversa telefônica, tá certo? A que ponto chegamos no Brasil aqui (...) Só para controle, falei mais coisas naquela conversa. Podem divulgar tudo da minha parte", afirmou Bolsonaro.

Leia também

Vale ressaltar que, apesar da reclamação por ter sido gravado, Kajuru garante ter deixado claro ao presidente que gravaria o diálogo entre os dois.

“Avisei ele hoje [domingo] 12h40, que a conversa nossa seria publicada a uma hora da tarde. E assim eu fiz”, disse Kajuru ao jornal o Estado de S.Paulo.

Mesmo com país vivendo o pior momento da pandemia do novo coronavírus, chegando a registrar mais de 4 mil óbitos em 24h em duas oportunidades na semana passada, Bolsonaro voltou a pregar contra gestores estaduais e municipais que tentam frear a propagação do vírus com medidas mais restritivas.

"Primeiro tenho que estabelecer o direito de ir e vir no Brasil, o problema aqui é mais sério do que se possa imaginar. Existem protótipos de ditadores fazendo barbaridade nos estados", reclamou o presidente aos apoiadores.

Bolsonaro disse temer "relatório sacana" de CPI

O presidente Jair Bolsonaro pediu ao senador Jorge Kajuru em conversa gravada e publicada pelo congressista em redes sociais, para ampliar a CPI da Covid-19 e apurar a conduta de prefeitos e governadores.

Bolsonaro disse que, se os senadores não mudarem o escopo da CPI, ampliando para investigar as ações de governos regionais também, será investigada apenas o governo federal e aliados. Segundo ele, vão ouvir "só gente nossa" para produzir "relatório sacana".

"Se não mudar a amplitude, a CPI vai simplesmente ouvir o Pazuello, ouvir gente nossa, para fazer um relatório sacana. Tem que fazer do limão uma limonada. Por enquanto, é um limão que tá aí. Dá para ser uma limonada", disse ao senador. Bolsonaro afirmou que o objetivo do autor da CPI, que disse não saber quem é, "é investigar omissões do governo federal na Covid".

Segundo Bolsonaro, uma CPI "realmente útil" ao país precisaria ser mais ampla. Na gravação, ele deixa claro a vontade de incluir "governadores e prefeitos" no escopo da apuração.

"A CPI hoje é para investigar omissões do presidente Jair Bolsonaro, ponto final. Quer fazer uma investigação completa? Se não mudar o objetivo da CPI, ela vai vir só pra cima de mim. O que tem que fazer para ser uma CPI que realmente seja útil para o Brasil? Mudar a amplitude dela. Bota governadores e prefeitos. Presidente da República, governadores e prefeitos", afirmou.