1.600 trabalhadores de tecnologia foram demitidos por dia em 2023

Com apenas 2 semanas, 2023 viu a demissão de 1.600 trabalhadores de tecnologia por dia
Com apenas 2 semanas, 2023 viu a demissão de 1.600 trabalhadores de tecnologia por dia
  • Em apenas 15 dias, 2023 já viu a demissão em massa de 24 mil funcionários do setor de tecnologia;

  • Número total de demissões já é 15% do total de funcionários demitidos em 2022;

  • Crise no setor se deu pela rápida expansão durante a pandemia.

A crise do setor de tecnologia mundial não parece dar sinais de diminuir. Um novo relatório do portal de rastreamento demissões em massa, Layoffs.fyi apontou que apenas nos 15 dias deste ano já foram demitidas 24.151 mil pessoas por 91 mil empresas de tecnologia ao redor do mundo.

Isto dá uma média de 1.600 trabalhadores demitidos por dia. O número de demissões em 2023 até agora já é 15% dos 154.256 empregados demitidos por 1.023 empresas de tecnologia em 2022.

De acordo com os dados do portal, a Amazon, Meta e Salesforce lideraram a lista de demissões, com 18 mil, 11 mil e 8 mil funcionários demitidos entre novembro de 2022 e janeiro de 2023. Juntas, a Amazon e a Salesforce, anunciaram na primeira semana do ano um corte de mais de 25 mil empregos, a maior parte destes ainda será executado.

A onda de demissões no setor de tecnologia acontece após uma rápida expansão das empresas durante a pandemia de COVID-19. O crescimento experimentado durante a época de isolamento social não se manteve após a retirada das medidas sanitárias, fazendo com que os lucros diminuíssem e gerando uma baixa nas ações das companhias de tecnologia.

A crise foi agravada, ainda, pela alta dos juros ao redor do mundo como forma de combater a escalada da inflação. Isto fez com que títulos públicos, por exemplo, se tornassem investimentos atrativos para especuladores, fazendo com que saíssem do mercado mais arriscado de ações.

As demissões em massa, no entanto, não ocorrem apenas no setor de tecnologia. Empresas financeiras também estão passando por sua própria crise. Na semana passada, o Goldman Sachs anunciou a demissão de 3 mil funcionários, enquanto a BlackRock, maior gestora financeira do mundo, anunciou também um corte de posições, o primeiro em quatro anos, que deverá atingir cerca de 500 trabalhadores.