'A prova que tem contra mim é um pedágio', diz Lula sobre tríplex

2 - 'A prova que tem contra mim é um pedágio', diz Lula sobre tríplex

MARINA DIAS

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira (24) que a prova que existe contra ele no caso do tríplex em Guarujá (SP) é "um pedágio" e que está na hora de "parar o falatório" e "provar" que ele recebeu dinheiro de forma ilegal.

Segundo o ex-presidente, seu depoimento ao juiz Sergio Moro, marcado para o próximo mês, servirá para que ele se defenda "pela primeira vez" das acusações que existem contra ele no âmbito da Operação Lava Jato.

"Está na hora de parar o falatório e mostrar prova. A prova que tem contra mim é um pedágio", disse Lula durante evento do PT em Brasília. "Eu estou com muita vontade de brigar, de fazer a boa briga", completou o ex-presidente ao indicar que pretende disputar a eleição presidencial de 2018.

Réu em cinco ações penais, o ex-presidente pode se tornar inelegível caso seja condenado em segunda instância.

A declaração pública de Lula ocorre dias após a defesa de Léo Pinheiro, sócio da OAS, entregar à Justiça documentos para tentar comprovar que o petista foi beneficiado pela reforma de um tríplex em Guarujá (SP).

Entre os documentos entregues estão o registro de que dois carros em nome do Instituto Lula passaram pelo sistema automático de cobrança dos pedágios a caminho do Guarujá entre 2011 e 2013. Não há, no entanto, informações que comprovem que as viagens tiveram como destino o apartamento no Edifício Solaris, que Léo Pinheiro diz ser do ex-presidente.

Em discurso de cerca de quarenta minutos para uma plateia de dirigentes e militantes petistas, Lula disse estar "tranquilo" sobre a possibilidade de Moro adiar seu depoimento sobre o tríplex, inicialmente marcado para 3 de maio, e que estará em Curitiba quando o juiz ordenar.

Segundo a reportagem apurou, Moro cogita adiar o depoimento de Lula a pedido da Polícia Federal, mas o ex-presidente ainda não havia sido informado da decisão até o início da noite desta segunda (24).

"Não estou preocupado com a data. A data é do juiz Moro. A hora que ele marcar, estarei em Curitiba", disse Lula.

"Quero comparecer [ao depoimento em Curitiba] porque é a primeira grande oportunidade que eu não vou ser atacado pelas revistas e televisões. Eu vou ter, de viva voz, o direito de me defender. No meu primeiro depoimento, o horário é meu. Faz três anos que estou ouvindo", completou o ex-presidente.

Lula afirmou ainda que estão contando "mentiras" contra ele "24 horas por dia" e que não nasceu para "ter medo de lista", em referência à relação de investigados divulgada na semana passada pelo STF (Supremo Tribunal Federal), em que o petista aparece ao lado de oito ministros do governo Michel Temer, dezenas de parlamentares, governadores e outros políticos.

"Não nascemos para ter medo de lista, nascemos para provar que eles agora estão criminalizando o que antes não criminalizavam", disse Lula sem citar diretamente a prática de caixa dois. "Não temos que ter vergonha de sermos políticos. A hora que desmoralizar todo mundo o que vai sobrar nesse país é pior".