2 - Doria reúne presidentes de bancos e pede apoio para construção de creches

GIBA BERGAMIM JR.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O prefeito João Doria (PSDB) reuniu as principais lideranças bancárias do pais, na noite desta segunda-feira (27), para pedir apoio à construção de creches em São Paulo.

O anúncio foi feito ao lado do ministro da Educação, Mendonça Filho, e dos secretários municipal e estadual da Educação, respectivamente, Alexandre Schneider, e Renato Nalini.

O evento aconteceu no Theatro Municipal no mesmo momento em que manifestantes faziam um protesto contra o congelamento de verbas na área de Cultura.

O presidente do Banco Santander, Sérgio Rial, participou do evento representando instituições bancárias. Ali, defendeu a coparticipação da sociedade civil na área de educação. Segundo Doria, foi Rial quem sugeriu o evento há dois meses.

Além dele, havia outros representantes de instituições financeiras, como os presidentes do Bradesco, Joaquim Trabuco, Gilberto Occhi (Caixa Econômica Federal), Roberto Setúbal (Itaú) e o presidente da Febraban, Murilo Portugal.

A aposta do governo tucano é financiar o aumento de vagas por meio de doações de empresas e pessoas físicas ao Fumcad (Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente).

A doação é feita por meio de dedução do imposto de renda -pode ser de até 1% no caso de pessoas jurídicas e de até 6% para pessoas físicas.

Os bancos Itaú, Bradesco e Santander já se comprometeram com o tema, segundo Doria informou anteriormente.

"Nosso objetivo ao longo desses 12 meses é mobilizar R$ 120 milhões para destinação específica na construção de novas creches e mais vagas para eliminar o deficit de 65.500 vagas buscando recursos no setor privado", disse o prefeito.

Ele disse que 25 imóveis já foram doados para a instalação de creches. A meta é chegar a 50, segundo Doria.

O secretário municipal disse que já há, aproximadamente, mais R$ 120 milhões entre verbas já existentes no fundo municipal e dinheiro federal. Com isso, deve ampliar em 30% o número de vagas, alcançando a cobertura de 60% da população até 2020.

Doria havia ampliado o prazo para cumprir a promessa de zerar a fila por vagas em creches em São Paulo para até 30 março de 2018 -o compromisso inicial era fazer isso até dezembro deste ano.

Na campanha eleitoral, ele previa "prazo máximo de um ano" para zerar uma fila de espera de 103 mil crianças. No início da gestão, houve um recuo e o número foi revisto para 65,5 mil vagas, que era a fila por vagas registrada em dezembro de 2016, último mês da gestão Fernando Haddad (PT). A região sul tem a maior fila: 34.035.

Com o projeto, a previsão é abrir 96 mil vagas de 0 a 3 anos até 2020.

CELEBRIDADE

Ao fim do evento, Doria chamou a cantora Fafá de Belém da plateia para cantar o hino nacional no palco.

Além dela, estavam ali a apresentadora Adriane Galisteu e a empresária Viviane Senna.