Quase 20 mortos e 15 feridos em navio iraniano atingido por fogo amigo

O barco 'Konarak', atingido por fogo amigo de mísseis durante manobras navais, ancorado no porto de Jask, no sul do Irã, em 11 de maio de 2020

O Exército iraniano informou, nesta segunda-feira (11), que 19 pessoas morreram em um "acidente", no qual um navio de guerra foi alvo de fogo amigo durante exercícios navais no Golfo de Omã.

"No domingo à tarde, durante um exercício de navios da Marinha em águas de Jask e Chabahar, o navio de apoio leve 'Konarak' teve um acidente", disse o portal do Exército em um comunicado.

"O navio foi impactado depois de mover um alvo de treino e não se afastar o suficiente", completou a mesma fonte.

"O número de mártires deste acidente chega a 19 e há 15 feridos", acrescentou a nota.

O navio foi rebocado para o porto para realizar uma "investigação técnica", conforme a nota, na qual as autoridades pedem que se "evitem especulações" até que mais informações estejam disponíveis.

De acordo com a televisão estatal iraniana e com a agência de notícias Tasnim, o "Konarak" foi "atingido por um míssil" lançado por outro navio iraniano.

O navio foi alvo de "fogo amigo" depois de a fragata "Jamaran" ter disparado mísseis acidentalmente durante um exercício militar na área de Jask nas águas do Golfo Pérsico, segundo a Tasnim.

O "Konarak" é um navio de apoio logístico leve fabricado na Holanda e comprado pelo Irã pouco antes da Revolução Islâmica de 1979.

O navio pesava 447 toneladas, media 47 metros de comprimento e estava equipado com quatro mísseis de cruzeiro, descreveu a televisão estatal.

Os 15 marinheiros feridos foram hospitalizados no Sistão e no Baluchistão, afirmou o diretor da Universidade de Medicina da província, Mohammad-Mehran Aminifard.

Dois deles se encontram em tratamento intensivo, disse a agência semioficial Isna.

Um vídeo publicado pelo jornal "Jam-e-Jam Daily" mostra o que dizem ser o "Konarak", em chamas, enquanto é rebocado por outro navio.

Em comunicados em separado, o chefe do Exército iraniano e o ministro das Relações Exteriores manifestaram seus pêsames às famílias.

Não se sabe quantos tripulantes estavam a bordo do navio no momento do acidente.

- Tensão com os EUA

Em janeiro passado, as Forças Armadas iranianas derrubaram, por engano, um jato comercial Boeing 737 com destino a Kiev, logo após sua decolagem de Teerã, matando seus 176 ocupantes.

Os militares iranianos admitiram seu erro catastrófico, alegando que as defesas antiaéreas do país estavam em alerta máximo após o lançamento de uma bateria de mísseis contra as tropas americanas estacionadas no Iraque.

O Irã lançou esses mísseis em represália pelo assassinato, cometido dias antes pelos Estados Unidos, do general iraniano Qassem Soleimani. O militar foi morto perto do aeroporto de Bagdá por bombardeios de drones.

Irã e EUA tiveram vários incidentes recentes e constantemente trocam ameaças entre suas forças estacionadas nas sensíveis águas do Golfo.

O último episódio foi em 15 de abril, quando Washington denunciou que embarcações iranianas "assediaram" seus navios nessas águas.