Mais de 200 empresas e restaurantes retomam atividades no Peru

Funcionários do Ministério da Saúde se preparam para realizar testes imunológicos em trabalhadores do mercado de Ciudad de Dios, em Lima, 11 de maio de 2020.

Mais de 200 empresas retomaram as atividades nesta segunda-feira (11) no Peru, após quase dois meses de paralisação pelo novo coronavírus, enquanto as autoridades tentam reativar a economia nacional.

"Temos 208 empresas habilitadas nas áreas têxtil e de vestuário, comércio eletrônico e restaurantes. Isso significa que (...) essas 208 empresas estariam em condições de oferecer seus serviços", afirmou o ministra da Produção, Rocío Barrios.

A ordem de confinamento em vigor no Peru proíbe toda atividade comercial, exceto as essenciais, como lojas de alimentos, farmácias e bancos, mas o governo lançou um plano de recuperação econômica em três fases entre maio e agosto.

Barrios disse que o ministério autorizou 77 restaurantes a retomarem suas atividades de entrega em domicílio, permitindo que cerca de 500 trabalhadores voltem ao trabalho.

As autoridades emitem permissões diariamente. Portanto, a expectativa é de que nos próximos dias o número de empresas em áreas prioritárias retome suas atividades, disse a ministra.

Ela também informou que no Peru existem 220.000 restaurantes e que planeja autorizar a reabertura de entre 2.200 e 2.500 esta semana em Lima.

Para retomar as atividades, as empresas devem elaborar planos de prevenção da COVID-19 aprovados pelo Ministério da Saúde.

O presidente Martín Vizcarra anunciou há seis dias que as consequências econômicas da pandemia poderiam ser semelhantes às sofridas durante a Guerra do Pacífico (1879-1884), na qual Peru e Bolívia enfrentaram o Chile.

O Ministério da Economia e das Finanças prevê uma recuperação gradual da atividade, que deve alcançar 70% da capacidade até o final de maio.

"A economia hoje está operando em 44% e, no final da primeira fase, esperamos chegar a 70%", disse a jornalistas a ministra da Economia María Antonieta Alva.

No Peru, uma quarentena nacional com toque de recolher noturno, restrição à circulação de veículos e fechamento de fronteiras está em vigor desde 16 de março e permanecerá em vigor até 24 de maio.

O país registrou até o domingo mais de 67.000 casos positivos de COVID-19 e quase 1.900 mortes.