3 filmes de terror inspirados em histórias reais

·5 min de leitura
Amityville
Em novembro de 1974, Ronnie De Feo, de 23 anos, matou os pais e os quatro irmãos enquanto eles dormiam

Objetos que se movem sem motivo aparente, casas com passados ​​sinistros e sessões de exorcismo costumam ser o foco de muitos filmes de terror.

Dentre tantas histórias que fazem uso do paranormal para fazer os espectadores saltarem da cadeira de susto, quantas vão além da ficção e foram em algum momento um acontecimento real?

A seguir, você confere três casos de histórias de terror baseadas em eventos reais.

1. Horror em Amityville

Dirigido em 1979 por Stuart Rosenberg, o filme conta a história de um casal que se muda para uma casa em Amityville, Nova York, onde ocorreram vários assassinatos. E após presenciarem uma série de manifestações estranhas, eles fogem de casa.

A única coisa com a qual o filme (refilmado em 2005) e as reportagens parecem concordar é com o assassinato de uma família na casa de Amityville.

Em novembro de 1974, Ronnie De Feo, de 23 anos, matou de forma metódica os pais e os quatro irmãos e irmãs enquanto eles dormiam.

Casa de Amityville
Muitos não sabem que na casa de 'Horror em Amitivyle' uma família morreu assassinada pelo próprio filho

Pouco mais de um ano depois, em 1975, George e Kathy Lutz se mudaram para a casa de estilo colonial de três andares. Resolveram não dar muita importância aos acontecimentos ocorridos na propriedade, mas por precaução, mandaram chamar um padre para benzê-la.

Embora os relatos sobre supostos eventos paranormais na casa tenham variado com o passar do tempo, foi a partir deste momento que eles dizem ter começado a notar acontecimentos estranhos.

De acordo com relatos de George Lutz à imprensa local, o padre que foi abençoar a casa teria sentido uma bofetada e ouviu alguém dizer "vá embora".

George e Kathy Lutz, ex-proprietários da casa em Amityville
George e Kathy Lutz afirmam ter testemunhado uma série de eventos paranormais na casa de Amityville

O casal também afirmou sentir cheiros estranhos e frio constante dentro de casa. Em outros incidentes, disseram que as camas de seus filhos se moveram de maneira inexplicável, e que George acordou no meio da noite e viu a esposa levitar.

Apenas 28 dias depois de terem se mudado, a família fugiu de casa, deixando todos os seus pertences para trás.

Dentre os livros que foram escritos sobre Amityville e os diferentes filmes que foram feitos, é difícil saber que partes foram verdade — e quais não. Mas o fato de uma família inteira ter morrido ali não deixa de ser assustador.

2. O Exorcismo de Emily Rose

No filme O Exorcismo de Emily Rose, dirigido por Scott Derrickson em 2005, uma advogada investiga o caso de um padre que é acusado de homicídio após praticar o exorcismo de uma jovem.

Ao se aprofundar no caso, a advogada Erin Bruner, interpretada pela atriz Laura Linney, percebe pouco a pouco que o que aconteceu com a falecida Emily Rose (Jennifer Carpenter) talvez não possa ser explicado logicamente.

Na realidade, a personagem Emily é baseada em uma jovem alemã, Anneliese Michel, estudante de educação da Universidade de Würzburg que durante sua permanência no dormitório da instituição começou a apresentar sinais de comportamento anormal, segundo relatos do caso que chegaram à imprensa internacional em 1976 — após a morte de Anneliese.

Ed e Lorraine Warren, pesquisadores de eventos paranormais
Ed e Lorraine Warren, investigadores de eventos paranormais, foram fonte de inspiração para muitos filmes de terror

Em 1973, após vários episódios em que reagia de forma violenta, uma perda abrupta de peso e uma repentina abominação por objetos religiosos, os pais de Anneliese, que eram católicos, a levaram para casa e pediram a avaliação de um padre, que finalmente concluiu que ela estava possuída.

"Conforme as regras da Igreja, (o padre) mandou chamar um especialista exorcista, um padre jesuíta chamado Adolf Rodewyk, para uma investigação detalhada", relata um artigo de arquivo do jornal americano The New York Times de 42 anos atrás.

Dois padres jesuítas participaram do exorcismo e gravaram suas sessões com Anneliese em 43 fitas. Segundo relatos, as únicas testemunhas foram os pais da jovem.

Por fim, Anneliese morreu após passar por 67 sessões de exorcismos de uma hora — e, segundo análises que foram feitas, morreu desnutrida e desidratada.

3. Invocação do Mal

Como muitos outros filmes de terror, Invocação do Mal, de James Wan, começa com uma família se mudando para uma nova casa, espaçosa e misteriosa, com a ilusão de viver em um lugar incrível e... não precisamos nem dizer, o sonho se transforma em pesadelo .

No filme, de 2013, o primeiro sinal de alerta para Roger e Carolyn Perron foi quando seu cachorro se recusou a entrar na casa de campo.

Após uma série de eventos arrepiantes que incluem ruídos inexplicáveis, objetos que se movem sozinhos e sensações estranhas, o casal decide chamar os investigadores paranormais Ed e Lorraine Warren, que na vida real trabalharam em vários casos, como o da casa de Amityville.

O casal exibia objetos de suas pesquisas em um museu de ocultismo que havia criado.

Segundo Lorraine, que morreu em 2019, o filme é bem próximo do que aconteceu na realidade. Ed faleceu em 2006.

E a mais velha das cinco filhas dos Perron, Andrea, disse ao jornal americano USA Today que muitos dos eventos foram reais: camas se movendo, cheiro de podre em alguns lugares, áreas geladas — e, sim, também o exorcismo de sua mãe.

"Achei que ia desmaiar", contou Andrea na reportagem de 2013.

"Minha mãe começou a falar em uma língua que não era deste mundo e com uma voz que não era a dela. A cadeira levitou e foi empurrada para o outro lado do quarto."

Andrea também escreveu a história de sua família em três livros — e disse que não fica surpresa quando as pessoas duvidam de seu relato.

*O texto foi corrigido com a data de morte de Lorraine Warren.

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos