3 - Macron vence eleição francesa no Brasil, onde Le Pen foi apenas a 5ª

3 - Macron vence eleição francesa no Brasil, onde Le Pen foi apenas a 5ª

GUILHERME MAGALHÃES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com 43,7% dos votos, o centrista Emmanuel Macron também foi o mais votado pelos franceses registrados no Brasil no primeiro turno, segundo dados da Embaixada da França no Brasil.

A candidata da extrema direita, Marine Le Pen, ficou apenas em quinto lugar, com 5,1%, atrás até de Benoît Hamon (6%), do Partido Socialista, que herdou a impopularidade do presidente François Hollande.

Nas últimas duas eleições presidenciais, o voto francês no Brasil foi majoritariamente para o candidato da centro-direita -no caso, Nicolas Sarkozy. Neste ano, porém, François Fillon ficou com 24,5%, distante dos 42% obtidos por Sarkozy em 2012. Dos 14,7 mil franceses registrados para votar no Brasil, cerca de 4.800 foram às urnas.

Terceiro colocado, Jean-Luc Mélenchon dobrou seu percentual em relação à votação de cinco anos atrás: 17,8% ante 8,8%.

O candidato da extrema esquerda foi a escolha, por exemplo, do escritor, ator e colunista da Folha de S.Paulo Gregório Duvivier, que é franco-brasileiro. "Acho que ele modernizou o discurso, bebeu um pouco na onda do Bernie Sanders nos Estados Unidos."

Atraído pela atenção dada à questão ecológica no programa de Mélenchon, Duvivier diz que foi a primeira vez que votou em uma eleição presidencial francesa.

No segundo turno, ele afirma que votará em Macron, apesar de contrariado. "Ele fez um governo conservador do ponto de vista econômico, e o governo Hollande já provou que isso não deu certo. Vou votar nele, mas só porque a Le Pen é um pesadelo."

Os resultados aqui seguiram a tendência do voto francês no exterior. Com uma plataforma fortemente pró-União Europeia e que defende uma França aberta à globalização, o candidato do Em Frente! obteve 40,4%.

Fillon veio em segundo lugar, com 26,3%, seguido de Mélenchon, com 15,8%. Le Pen (6,5%), que defendeu na semana passada uma moratória à imigração na França, também ficou atrás do socialista Hamon (6,9%) considerando o voto francês no exterior -554 mil dos 1,2 milhão registrados para votar.

GUIANA FRANCESA

Uma região que fugiu a esse quadro foi a Guiana Francesa, território ultramarino na América do Sul palco há mais de um mês de uma greve geral e de uma onda de protestos contra Paris.

Com uma taxa de desemprego de 22% (ante 10% na França), a população da Guiana Francesa se voltou aos dois candidatos extremistas, Mélenchon (24,7%) e Le Pen (24,3%). Macron ficou em terceiro, com 18,7% dos votos -não deve ter ajudado a gafe cometida pelo centrista, que chamou o território de "ilha" ao falar sobre a greve geral.

A taxa de abstenção de 65% foi alta se comparada a da França (22%). Dos 92 mil eleitores inscritos na Guiana Francesa, apenas 32 mil votaram.