3 - Não mudou nem vai mudar nada, diz relator sobre reforma da Previdência

4 - Temer quer dar crédito para governadores que apoiarem reformas

DANIEL CARVALHO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O relator da reforma da Previdência na Câmara, Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), disse nesta terça-feira (25) que não irá mais fazer mudanças em seu parecer.

Agora, afirmou Maia, alterações só serão feitas através de destaques apresentados por destaques que podem ser apresentados tanto na comissão especial que trata do tema como em plenário.

Nesta terça, o texto começou a ser discutido na comissão e deve ser votado no colegiado na próxima semana.

Sob pressão de diversas categorias, Maia fez alterações em seu relatório até mesmo depois de começar a apresentar seu texto à comissão, na semana passada.

"Não mudou [depois do almoço com governadores, nesta terça] e nem vai mudar absolutamente nada", afirmou Maia.

"Obviamente que todos os que estão participando do processo terão direito a fazer seus respectivos destaques, que irão democraticamente para votação. Nosso parecer está pronto para ser votado", disse o relator da reforma.

Maia comentou também que, é "óbvio", se o PSB mantiver sua posição de fechar questão contra a reforma da Previdência, haverá prejuízo para o governo.

"Se você está precisando de 308 votos para aprovar, cada um que diz que não vota é um voto a menos", afirmou Arthur Maia, que cobrou que seu partido, o PPS, feche questão a favor da reforma.

O Planalto teme que a decisão inicial do PSB provoque um efeito cascata que atinja inclusive o partido do relator.

"Espero que o partido que tem dois ministros que estão empenhados, tem um líder partidário que está empenhado, tem um relator que está empenhado, que tem oito deputados, espero que o PPS feche questão sobre a Previdência", disse Arthur Oliveira Maia.