3 - Secretário de Doria diz que vereador ligado ao MBL intimidou professores

ARTUR RODRIGUES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma ação do vereador Fernando Holiday (DEM) em escolas municipais para fiscalizar suposta "doutrinação" ideológica virou, nesta terça-feira (4), motivo de acusação de "intimidação" a professores pelo secretário de Educação Alexandre Schneider, da gestão João Doria (PSDB).

Holiday, integrante do MBL (Movimento Brasil Livre) e aliado de Doria, postou em seu perfil no Facebook um vídeo falando sobre a visita surpresa à escola municipal Constelação do Índio, no Jardim Campinas, na zona sul de São Paulo, na segunda-feira (3).

"Vou continuar fazendo essas visitas surpresas às escolas do município. Zonas sul, leste, oeste, norte, para verificar, claro, a estrutura da escola, mas também para analisar se há doutrinação no conteúdo que está sendo dado na sala de aula", diz ele no vídeo.

Schneider emitiu uma nota, também nas redes sociais, afirmando ter sido "surpreendido" pelo vídeo. "Evidentemente o vereador exacerbou suas funções e não pode usar de seu mandato para intimidar professores", afirmou.

O secretário escreveu que a escola "não é nem nunca será um espaço neutro". "A escola pública, laica, plural, não deve ser espaço de proselitismo de qualquer espécie."

Questionado, Holiday não quis se pronunciar. No plenário da Câmara, porém, afirmou que a polêmica foi embasada "em grande desinformação".

"O que fui fazer nada mais é do que atender à reclamação de muitos pais, que diziam que muitas vezes alguns professores estavam fazendo propaganda partidária na sala de aula ou induzindo seus filhos a aderirem a esta ou aquela bandeira", disse.

Ele afirmou também ter pedido um resumo do que estava sendo apresentado na sala de aula. "O que aconteceu nessas visitas não foi nada mais que qualquer outro cidadão poderia ter feito. Ido até a secretaria da escola, pedido a presença do diretor, pedir a ele que se possível apresentasse o prédio e as condições físicas da escola", disse.

Segundo a presidência da Câmara, se o vereador tiver cometido algum abuso, serão tomadas as medidas cabíveis.

A ação foi atacada também por vários vereadores. Sâmia Bomfim (PSOL) acusou o Holiday de fazer "assédio e coação aos profissionais da educação". "Por que ele não fiscaliza e denuncia as salas de informática, bibliotecas e brinquedotecas que estão sendo fechadas? Vamos tomar as medidas jurídicas e políticas necessárias", afirmou nas redes sociais.

O vereador Claudio Fonseca (PPS), que é presidente do Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo, afirmou que não é competência do vereador fiscalizar o conteúdo das aulas. "Não é competência do vereador, não é seu direito exercer papel de polícia. Nós temos uma escola plural", afirmou.