Defesa pede que acusado de matar Tatiane seja transferido por tentativa de' tirar a própria vida'

Reprodução

A defesa do professor Luis Felipe Manvalier, de 32 anos, acusado de matar a esposa, a advogada Tatiane Spitzner, de 29, pede que ele seja transferido depois da tentativa de “tirar a própria vida”.

Tatiane foi encontrada morta depois de cair do 4º andar do prédio onde morava com o marido, em Guarapuava, no Paraná. Câmeras de segurança mostraram que ela foi agredida durante 20 minutos antes da queda.

Denunciado por homicídio, fraude processual por alterar a cena do crime e cárcere privado, Luis Felipe nega ter cometido o crime. Ele diz que a mulher se jogou da sacada.

A defesa pede que o biólogo seja transferido da Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG) para o Complexo Médico-Penal “para atendimento psiquiátrico e psicólogo urgente”.

“Defesa teve conhecimento de que Luis Felipe, profundamente abalado pelo turbilhão emocional sofrido nos últimos dias, vinha apresentando quadro de depressão profunda”, diz o pedido de transferência.

Em comunicado enviado ao G1, a Penitenciária Industrial de Guarapuava informou que Manvalier apresentava hematomas no pescoço e que, “aparentemente havia se cortado”. Ele recebeu atendimento médico e está bem fisicamente, mas abalado emocionalmente, disse a Divisão de Segurança e Disciplina da penitenciária.

Segundo a penitenciária, o professor confessou que havia se cortado para “acabar com o sofrimento”.

A família de Tatiane se manifestou contra a transferência. Os advogados alegam que parece “pouco crível a alegação” para a transferência.