36 migrantes julgados em Marrocos

Em Marrocos, decorre esta segunda-feira, num tribunal da cidade de Nador, a segunda sessão do julgamento de 36 dos 64 migrantes que foram presos no passado dia 24 de Junho, quando tentavam atravessar a fronteira, através do enclave espanhol de Melilla.

Nesse dia, pelo menos 23 pessoas morreram no meio dos confrontos, quando cerca de 2 mil migrantes tentavam chegar a território espanhol.

De acordo com fontes jurídicas, citadas pela agência EFE, na primeira sessão do julgamento, que teve lugar na semana passada, os advogados pediram mais tempo para preparar a defesa.

Agora, no início desta semana, são esperadas declarações dos arguidos, na sua maioria sudaneses. Os 36 migrantes são acusados de “organizar e facilitar a entrada e saída clandestina de pessoas de e para Marrocos" e de usar "violência contra as forças públicas".

Os restantes 28 serão julgados a partir de 13 de Julho, no Tribunal de Recurso de Nador, e enfrentam acusações mais graves, incluindo o crime de tráfico de seres humanos e rapto de agentes da autoridade para os utilizar como reféns.

Este foi o primeiro assalto em massa à fronteira desde que Espanha e Marrocos reataram relações diplomáticas, em março. Os dois países viveram décadas de costas voltadas devido à questão do Saara Ocidental.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos