4 de Julho: saiba como é o Campeonato Piauiense; algoz do São Paulo não chegou nem à decisão em 2021

·5 minuto de leitura

Time da cidade de Piripiri, no interior do Piauí, o 4 de Julho virou sensação na última terça-feira após vencer o São Paulo por 3 a 2 no jogo de ida pela terceira fase da Copa do Brasil. Buscando uma façanha sobre o tricolor, a equipe não está nem entre as finalistas do seu estado nesta temporada, e terminou o Campeonato Piauiense apenas na terceira colocação.

Na edição de 2021, o estadual de Piauí foi disputado entre oito clubes que se enfrentaram em dois turnos primeira fase. Os dois melhores colocados, Altos e Fluminense fizeram a final em dois jogos, com o Altos vencendo ambas as partidas e se tornando campeão pela terceira vez.

O campeão também conquistou vagas na Copa do Brasil 2022, na Copa do Nordeste 2022 e na Série D do Brasileirão 2022, enquanto o vice também se garantiu na série D. Já os dois últimos colocados na primeira fase, Tiradentes e Picos foram rebaixados à 2ª divisão do estado. O artilheiro desta edição foi o atacante Manoel, do Altos, que marcou 13 gols.

Após vencer a última edição do campeonato, o 4 de julho terminou o campeonato com 23 pontos, um a menos que o segundo colocado, e perdeu a chance de disputar a final. O time teve 13 gols sofridos e terminou como a melhor defesa do campeonato. A equipe de Piripiri tem quatro títulos estaduais: além de 2020, venceu também em 1992, 1933 e 2011.

A Federação de Futebol do Piauí foi fundada em 1941, e o campeonato se tornou profissional em 1963. Antes do início da pandemia, a edição de 2019 do Piauiense teve média 767 pagantes e público total de 25.316 torcedores em suas 36 partidas. A efeito de comparação, o Paulistão, estadual disputado pelo adversário, registrou um total superior a um milhão de espectadores no mesmo ano.

O total da renda bruta do São Paulo com ingressos vendidos foi R$ 11.147.289,50 em nove jogos como mandante em 2019, enquanto o 4 de Julho faturou R$ 66.655,00 em cinco partidas.

O jogo de volta entre as equipes acontece dia 8 de junho, às 19h, no Morumbi. O tricolor precisa vencer por dois gols de diferença para se classificar, enquanto a equipe piauiense avança com um empate. Qualquer vitória do São Paulo por um gol de diferença leva a decisão para os pênaltis.

Rivalidades

Clássico mais tradicional do Piauí, o Rivengo é disputado pelo River Atlético Clube e o Flamengo-PI. Seu maior público foi na Final do Campeonato Piauiense de 1977, que recebeu mais de 40 mil pagantes. As duas equipes brigam pelo título de maior torcida do estado, e fazem alusão à decisão da Libertadores de 2019, disputada em Lima por Flamengo e River Plate.

O River lidera o ranking de títulos do Campeonato Piauiense e não dá a menor chance para o Flamengo. Ao longo da história, o "Galo" faturou 31 vezes o estadual, e é também o maior campeão do século. Já o rival acumula 17 conquistas, e é o segundo com mais títulos.

Outro clássico xará é entre Flamengo e Fluminense, que tambémocorre no Piauí. No último "Fla x Flu Cajuína" disputado, o tricolor levou a melhor, aplicando uma goleada de 4 a 0 sobre o rival na partida que confirmou sua vaga na final do estadual.

Já a equipe do estado que mais se destaca nos últimos anos é o Altos, que teve bons desempenhos em campeonatos regionais e nacionais. Em 2019 e 2020, o time disputou as duas maiores partidas de sua história, contra Santos e Vasco, pela primeira fase da Copa do Brasil. Neste ano o Altos venceu o Náutico nas quartas de final da Série D e conquistou o acesso para a terceirona pela primeira vez.

Violência

Após perderem o último clássico Rivengo, a torcida do River protagonizou cenas de selvageria e violência. Os atletas da equipe foram perseguidos por membros de organizadas, levaram tapas na entrada do ônibus e foram ameaçados com rojões. O elenco respondeu com pedras.

Esse é apenas um exemplo da violência que se tornou comum entre as organizadas do estado. Nos últimos anos, a Federação de Futebol Piauiense (FFP) chegou a processar torcidas por agressão a rivais. Alguns times locais precisaram realizar jogos com portões fechados ou mudar as partidas de sede devido a confusões protagonizadas por seus torcedores.

Outro episódio recente envolveu a jornalista Emanuele Madeira, atacada por um membro da organização do Altos. O episódio aconteceu no último mês, após a vitória da equipe sobre o Fluminense no estadual. Jogadores e membros da comissão técnica do Tricolor também começaram a xingar, e deram início à confusão generalizada que acabou com agressão à profissionais de imprensa.

Polêmicas

No início deste ano, o Parnahyba anunciou o lateral-esquerdo Thiaguinho como seu novo reforço. A contratação gerou polêmicas, já que o jogador foi banido do futebol acusado por tentativa de manipulação de resultados quando atuava pelo Rio Branco, do Paraná. Thiaguinho foi condenado por unanimidade pelo STJS (Superior Tribunal de justiça Desportiva), mas fez seu retorno aos gramados no Piauiense.

Outro caso polêmico desta edição foi envolvendo o meia Vassoura, de 36 anos. Demitido do Flu-PI por jogar em evento amador, o jogador faz sucesso na internet, e acumula mais de 200 mil seguidores nas redes. Ele foi desligado com apenas um jogo disputado pelo clube, após participar de um desafio 2 x 2, na modalidade Fut7. Após a demissão, o meia atacou o treinador Wallace Lemos, o chamando de "mala" e o acusando de pedir pela sua saída da equipe.

Também neste ano, os jogadores do duelo entre River-PI x Parnahyba foram surpreendidos por um enxame de abelhas em campo. Aos 34 minutos do primeiro tempo, todos se deitaram no gramado para fugir do ataque de insetos que aconteceu no estádio Albertão, em Teresina. Depois do susto, o River venceu por 3 a 2.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos