Lázaro Barbosa é morto após fuga de 20 dias: 4 momentos dramáticos da 'caçada'

·4 minuto de leitura
Dois policiais fardados de costas, com braços para trás
Busca por Lázaro Barbosa mobilizou agentes, aeronaves e cães farejadores desde assassinatos dos quais ele é acusado de ter cometido em 9 de junho

Lázaro Barbosa, acusado de matar quatro pessoas de uma mesma família em Ceilândia (DF) em 9 de junho, foi morto nesta segunda-feira (28/06) após uma busca que durou quase três semanas.

Ele foi baleado pela polícia e morreu, segundo informação publicada no Twitter pelo diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem.

"Parabéns à PM/GO e demais forças pelo sucesso nas diligências de localização e todo esforço na captura. Planejamento, cooperação e inteligência encerraram a reincidência de crimes hediondos e mais tragédias a outras possíveis famílias", escreveu Ramagem, com foto de Lázaro Barbosa com um carimbo que diz "Morto em confronto ao resistir à prisão".

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Pouco antes, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), havia anunciado a captura do foragido.

"Acabo de receber neste momento uma informação de todas as forças de segurança que estão ali na região de Cocalzinho que o Lázaro foi preso", disse Caiado, em vídeo publicado no Twitter.

"[Quero] cumprimentar a todos aqueles que estão ali há vários dias trocando informações e chegando a esse resultado final, com a prisão do Lázaro. Meus cumprimentos a todas as forças de segurança que ali interagiram, trabalharam com determinação para mostrar que a lei está acima de tudo."

"Goiás não é Disneylândia de bandido", escreveu Caiado.

A operação para achá-lo envolveu policiais civis, militares e federais, além do auxílio de cães farejadores e aeronaves.

Ao longo dos vários dias de fuga, Barbosa passou por várias chácaras na região, fez reféns e baleou pessoas, segundo a polícia.

As buscas se iniciaram após a morte de quatro membros da mesma família.

Cláudio Vital, de 48 anos, e seus filhos Gustavo, 21, e Carlos Eduardo, 15, foram encontrados com marcas de tiros e facadas em sua casa, segundo a polícia.

A mãe dos jovens, Cleonice Marques de Andrade, de 43 anos, foi achada morta três dias depois em um córrego. Segundo os policiais, Barbosa a sequestrou e a matou com um tiro na cabeça.

A BBC News Brasil lista a seguir quatro momentos dramáticos da perseguição.

1. Incêndio em residências

Em 12 de junho, segundo a Polícia Militar de Goiás, Barbosa passou a tarde bebendo em uma chácara, onde teria mantido um caseiro refém.

Em seguida, segundo a polícia, Barbosa invadiu outra chácara, baleou três homens e roubou armas de fogo.

Tarde da noite, ele teria ainda incendiado uma casa e trocado tiros com a polícia antes de fugir para a mata.

Montagem de fotos mostram movimentação da polícia em busca do acusado em Edilândia
Policiais armaram base da operação num posto de gasolina em Edilândia

2. Roubo de carro

Na manhã de 13 de junho, segundo a polícia, Barbosa entrou em outra chácara, onde teria exigido que moradores cozinhassem para ele. De lá, fugiu com cerca de R$ 200, roupas e celulares.

À noite, segundo os policiais, Barbosa invadiu uma casa em Ceilândia, amarrou um morador e roubou um carro do modelo Fiat Palio, fugindo em seguida para Cocalzinho.

Um investigador disse que Barbosa ateou fogo ao veículo antes de abandoná-lo na rodovia BR-070 e que contou com a ajuda de um colega.

3. Policiais baleados

Helicóptero voando
Helicópteros foram usados na busca por Lázaro Barbosa, e uma aeronave também precisou ser usada para levar policial baleado em tiroteio

Na tarde do dia 15 de junho, policiais se aproximaram de uma chácara onde Barbosa fazia três pessoas reféns em Edilândia, segundo os investigadores.

Houve troca de tiros e um policial foi atingido de raspão.

A família foi resgatada em segurança.

O policial foi levado de helicóptero a um hospital em Anápolis. Ele já foi liberado e passa bem.

4. Buscas em terreiros e deputada com fuzil

Em 19 de junho, sacerdotes de terreiros afro-brasileiros divulgaram uma nota afirmando terem sofrido abordagens truculentas da polícia durante as buscas por Barbosa.

Os policiais entraram em terreiros em Águas Lindas, Girassol, Cocalzinho e Edilândia.

Na nota, os sacerdotes manifestaram "repúdio aos violentos ataques racistas praticados contra as casas de matrizes africanas" e se queixaram da tentativa de associá-las ao foragido.

Já a Secretaria de Segurança de Goiás afirmou que estava "trabalhando com um único propósito: garantir a paz à população da região e capturar Lázaro Barbosa, nos limites da legalidade".

No mesmo dia, a deputada federal Magda Mofatto (PL-GO) publicou nas redes sociais um vídeo onde aparecia com um fuzil dentro de um helicóptero e prometia capturar Barbosa.

"Se o Ronaldo Caiado (governador de Goiás) não deu conta de te pegar, eu estou indo aí te pegar", afirmou.

Em nota, o governo goiano afirmou que a postura da deputada era desrespeitosa e contraproducente.

Este texto foi publicado originalmente em 22/06 e atualizado no dia 28 após o anúncio da prisão de Lázaro Barbosa.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos