40% dos reajustes salariais negociados em setembro ficaram acima da inflação, aponta Dieese

Cerca de 40% das 450 negociações salariais realizadas até o fim de outubro, com data-base de setembro, fixaram reajustes nos salários dos trabalhadores acima da inflação de 7,19% medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do IBGE. A análise é do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). No período, 38% das negociações registraram resultados iguais ao índice inflacionário e 22,4% abaixo dele, ou seja, sem reajuste real.

A fatia de reajuste acima do INPC é pouco maior do que os 36,3% de reajustes com data-base de agosto, mas para a entidade, a melhora no resultado ainda não foi suficiente para reverter o quadro geral de 2022.

No acumulado do ano, a maior parte (41,9%) dos 15.028 acordos e convenções coletivas analisados definiram reajustes abaixo da inflação, enquanto 21,6% em valor acima do INPC e 36,5% com percentuais iguais ao índice. A variação real média em 2022 é, até o momento, negativa (-0,79%).

Em setembro, a entidade aponta que a variação real média dos reajustes de setembro, ou seja, descontando a inflação, foi de 0,13%, primeiro valor positivo desde setembro de 2020. O reajuste necessário para "zerar" as perdas inflacionárias nas negociações com data-base em outubro é de 7,19%, inflação de setembro no acumulado de 12 meses, segundo o INPC.

"Levando em conta somente os reajustes acima da inflação, a variação real média em setembro fi cou em 1,27%. Considerando apenas os reajustes abaixo da infl ação, a variação real média foi de -1,64%", informou o Dieese.

Reajustes parcelados e escalonados

Ainda segundo a análise, 14% dos reajustes negociados em setembro foram parcelados, interrompendo a redução que acontecia desde maio, quando a fatia de reajustes parcelados foi de 13,2%. No mês passado, 7,1% dos reajustes com data-base de agosto foram parcelados.

Já os escalonados, ou seja, pagos diferenciadamente segundo faixa salarial ou tamanho da empresa, foram 20,9% do total. O percentual é superior ao de agosto de 2022 (14%) e inferior ao de setembro do ano passado (35,9%).