De 45 vereadores apoiados por Bolsonaro, ao menos 33 foram derrotados nas urnas

DANIELLE BRANT, RANIER BRAGON E RENATO MACHADO
·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 10.11.2020 - Presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia de lançamento do programa Retomada do Turismo, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 10.11.2020 - Presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia de lançamento do programa Retomada do Turismo, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) apoiou e fez campanha abertamente para 45 candidatos a vereador em diversas cidades do país. Desse total, ao menos 33 não conseguiram se eleger neste domingo (15).

Da lista de 13 prefeitos que contaram com o aval palaciano, apenas dois foram eleitos, ambos de cidades interioranas -Mão Santa (DEM), em Parnaíba, no Piauí, e Gustavo Nunes (PSL), em Ipatinga (MG).

Na campanha suplementar para o Senado em Mato Grosso, sua candidata, Coronel Fernanda (Patriota), também perdeu.

Todos os candidatos obtiveram o apoio nas "lives eleitorais gratuitas" de Bolsonaro. Alguns participaram pessoalmente.

Os principais nomes bancados abertamente por Bolsonaro foram Celso Russomanno (Republicanos), em São Paulo, Marcelo Crivella (Republicanos), no Rio, e Bruno Engler (PRTB), em Belo Horizonte. Desses, só Crivella conseguiu ir para o segundo turno, mas inicia essa nova etapa em desvantagem.

O filho Carlos Bolsonaro (Republicanos) foi reeleito, mas perdeu cerca de 35 mil votos em relação a 2016. Wal do Açaí, sua ex-funcionária fantasma, teve só 266 votos e não conseguiu se eleger vereadora em Angra dos Reis (RJ).

Veja abaixo a resposta das urnas a 59 candidatos apoiados por Bolsonaro -incluindo não só os que disputaram a vaga ao Legislativo.