5 hackers famosos e suas histórias quase cinematográficas

·4 min de leitura
coronavirus covid19 phishing scam
coronavirus covid19 phishing scam

Apesar do aumento recente de golpes cometidos no ambiente online, não é de hoje que crimes dessa natureza ocorrem. Desde os anos 80, há registros de hackers atuando em cibercrimes principalmente contra grandes instituições, em especial as financeiras. Já na atualidade, os ataques cibernéticos mais comuns são relacionados ao phishing, técnica que coleta dados pessoais para utilizá-los em golpes.

Seja nos primórdios da internet ou na atualidade, os hackers sempre preencheram o imaginário das pessoas com atuações fantásticas que mesclam profundo conhecimento técnico e saberes que poucas pessoas têm acesso, com histórias muitas vezes dignas de roteiro cinematográfico. Embora hoje sejam oferecidos cursos de hacking ético, por exemplo, alguns dos hackers mais famosos da história atuaram em uma época em que esse conhecimento era bem pouco difundido.

Conheça a seguir 5 dos mais famosos entre esses especialistas em burlar o sistema:

  1. Kevin Mitnick

  2. Jonathan James

  3. Kevin Poulsen

  4. Albert Gonzalez

  5. Anonymous

Kevin Mitnick

Thousand Oaks resident Kevin Mitnick, 39, holds up his Sony laptop notebook computer. Mitnick is a computer hacker who spent 5 years in federal prison for stealing software from major cell phone companies. He is about to be free of court–imposed restrictions against using the Internet and other technology. Digital image taken on 01/03/03  (Photo by Mel Melcon/Los Angeles Times via Getty Images)
Thousand Oaks resident Kevin Mitnick, 39, holds up his Sony laptop notebook computer. Mitnick is a computer hacker who spent 5 years in federal prison for stealing software from major cell phone companies. He is about to be free of court–imposed restrictions against using the Internet and other technology. Digital image taken on 01/03/03 (Photo by Mel Melcon/Los Angeles Times via Getty Images)

Kevin Mitnick é conhecido como o hacker mais famoso de todos os tempos. Seu maior feito ocorreu em 1979 quando acessou ilegalmente a rede da companhia pioneira na indústria de computadores, a Digital Equipment Corporation. O hacker conseguiu na empreitada copiar um software, visualizar e-mails particulares e roubar senhas.

Na ocasião, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos o classificou como o “criminoso da computação mais procurado da história do país”. Enquanto fugia das autoridades, Mitnick também roubou segredos das gigantes de tecnologia Motorola e Nokia. Ele foi capturado anos depois. Após cumprir 5 anos de prisão, o hacker se tornou consultor de aprimoramento em segurança dos computadores e diretor da empresa Mitnick Security Consulting. A sua história já foi contada em livros, documentários e filmes.

Jonathan James

Jonathan James começou suas façanhas como hacker com apenas 15 anos de idade. Também conhecido como “c0mrade”, James hackeou diversas redes comerciais e governamentais nos Estados Unidos, além de instalar um sistema que conseguiu interceptar inúmeros computadores militares e mensagens. Seu maior feito enquanto hacker foi acessar a rede da NASA e baixar informações de código-fonte dos trabalhos da agência, ativo equivalente a 1,7 milhão de dólares em 1999. Jonathan James foi parar na prisão quando ainda era menor de idade.

Em 2007, diversas lojas e empresas foram alvos de ataques cibernéticos nos Estados Unidos e suspeitou-se que James estava por trás dos ataques, o que ele à época negou. Com o decorrer das investigações, temendo ser condenado por um crime que afirmava não ter cometido, Jonathan James cometeu suicídio com apenas 24 anos de idade.

Kevin Poulsen

Jonathan James. Foto: Reprodução
Jonathan James. Foto: Reprodução

“Dark Dante”, como era conhecido o famoso hacker Kevin Poulsen, ganhou notoriedade por invadir sistemas telefônicos. Poulsen começou a ser procurado pelo FBI quando violou sistemas federais e roubou informações de escutas telefônicas.

Foi condenado à prisão por 51 meses além de ter que pagar uma multa de US$ 56 mil. Após ser libertado, o hacker desenvolveu o SecureDrop, um software de código livre e aberto que é usado como plataforma segura para a comunicação entre jornalistas e suas fontes.

Atualmente, Kevin Poulsen trabalha como jornalista e editor de diversos veículos de prestígio, como The New Yorker, Wired e The Daily Beast.

Albert Gonzalez

Albert Gonzalez foi o formador do grupo ShadowCrew, organização composta por uma equipe de hackers que faziam roubos de dados de cartão de crédito, falsificação e venda de passaportes e certidões de nascimento para novas identidades falsas.

Em um período de 2 anos de atuação, mais de 170 milhões de dados de cartão de crédito foram roubados de sistemas bancários e financeiros.

Gonzalez foi condenado a 20 anos de prisão e sua liberdade está prevista para o final de 2025.

Anonymous

PARIS, FRANCE - DECEMBER 27: In this photo illustration, a hacker with an Anonymous mask on his face and a hood on his head uses a computer on December 27, 2019 in Paris, France. In IT security, a hacker is an IT specialist, who is looking for ways to bypass software and hardware protections. Hackers are generally intelligent programmers who seek to manipulate or modify a computer system or network. (Photo by Chesnot/Getty Images)
PARIS, FRANCE - DECEMBER 27: In this photo illustration, a hacker with an Anonymous mask on his face and a hood on his head uses a computer on December 27, 2019 in Paris, France. In IT security, a hacker is an IT specialist, who is looking for ways to bypass software and hardware protections. Hackers are generally intelligent programmers who seek to manipulate or modify a computer system or network. (Photo by Chesnot/Getty Images)

O Anonymous é provavelmente o grupo mais famoso que reúne diversos hackers ao redor do mundo. A organização surgiu em 2003 sob a bandeira do hacktivismo, e já revelou na web diversas descobertas de crimes relacionados a figuras públicas, como políticos famosos. O coletivo já promoveu ações e manifestações em diversos países.

Uma das ações do Anonymous foi a campanha “Operação Darknet”, que denunciou o endereço IP de 190 internautas que compartilhavam e acessavam conteúdos relacionados a pornografia infantil.