5 reflexões que você deveria ler sobre LGBTIfobia online

Amauri Terto
Debate sobre LGBTIfobia online ocorreu na sede do Facebook em São Paulo.

O HuffPost Brasil mediou na última quinta-feira (15) o debate de lançamento do guia Ponha Fim ao Bullying LGBTI+, criado pela TODXS, startup social que atua promoção dos direitos da comunidade LGBTI, e pelo Facebook Brasil.

O material, disponível para download gratuito na Central de Segurança do rede social e no site da TODXS,incentiva as pessoas a denunciarem a LGBTIfobia online e traz informações sobre as políticas e ferramentas de segurança do Facebook para ajudar o usuário a se manter seguro.

A fim de apresentar ao público diferentes perspectivas sobre o assunto, o evento de lançamento do guia reuniu a drag queen e youtuber Lorelay Fox, dona do canal Para Tudo; Amara Moira, travesti e autora do livro E Se Eu Fosse Puta, e Fernanda Castilhos, gerente de desenvolvimento da TODXS.

A seguir, você acompanha cinco reflexões apresentadas pelas durante o debate que mostram que o fim desse tipo de violência no Brasil - o país que mais mata pessoas LGBTI no mundo - depende do engajamento urgente de todos os cidadãos - independente da orientação sexual ou identidade de gênero.

1. Pessoas trans e identidade de gênero

"O fato de pessoas trans existirem coloca em xeque o sistema vigente na sociedade. Porque a partir do momento que sou criada para ser homem e reivindico uma identidade feminina ou sou criada para ser mulher e reivindico uma identidade masculina, eu trago à tona o que significa ser homem e o que significa ser mulher na sociedade. E as pessoas ficam apavoradas com a possibilidade de essas palavras começarem a ter outros sentidos. Muitas vezes, elas preferem atacar essas novas verdades que vão surgindo do que pensar outras maneiras de explicar o que elas são." - Amara Moira

2. O importante apoio ao LGBTI vítima de bullying

"Ao ver alguém sofrendo bullying - não só no mundo virtual como na vida real - em vez de ir brigar com os agressores, vá e dê seu apoio à vítima. Porque entrar numa briga com esse tipo de agressor,...

Continue a ler no HuffPost