5 temas que chamam atenção em eleições nos EUA

boné com escrito em inglês: Save America (Salve a América)
boné com escrito em inglês: Save America (Salve a América)

As eleições de 8 de novembro nos Estados Unidos terão um enorme impacto nos rumos da nação, assim como no destino do indivíduo e do partido no poder na Casa Branca.

O atual presidente, Joe Biden, não está nas urnas - as eleições de meio de mandato decidem quem controla o Congresso, bem como as legislaturas estaduais e os gabinetes de governador. Mas as eleições darão aos eleitores a oportunidade de expressar indiretamente suas opiniões sobre sua presidência e os rumos atuais do país.

Com a economia dos EUA em dificuldades e os eleitores preocupados com violência e a imigração sem visto, o veredicto pode ser duro para o atual presidente. Além disso, o resultado influenciará o campo de jogo da campanha presidencial de 2024 e, especialmente, as chances de Donald Trump concorrer novamente.

Aqui estão cinco razões pelas quais essas eleições são tão importantes:

1. Direitos ou restrições ao aborto

A reformulação do Congresso pode influenciar diretamente o dia-a-dia de cidadãos em todo o país. O aborto é um exemplo claro.

Em junho, a Suprema Corte revogou os direitos ao aborto constitucionalmente protegidos. Ambos os partidos já propuseram novas leis nacionais se ganharem o controle do Congresso nessas eleições.

Os democratas prometem defender os direitos das mulheres ao aborto, enquanto os republicanos propuseram uma proibição nacional do aborto após 15 semanas de gravidez.

Em nível estadual, o resultado de importantes governadores e disputas locais em campos de batalha políticos tradicionais como Pensilvânia, Wisconsin e Michigan pode significar que mais restrições ao aborto sejam impostas lá.

Cartaz onde se lê: seu corpo, sua escolha
Cartaz de manifestantes a favor do direito ao aborto diz: seu corpo, sua escolha

Quem ganha o controle do Congresso e quem ganha poder nos estados também impactará no que outras políticas estão focadas além do aborto.

Se os republicanos tiverem mais poder, espere que questões sobre imigração, direitos religiosos e combate ao crime violento sejam uma prioridade.

Para os democratas, o meio ambiente, a saúde, o direito ao voto e o controle de armas continuarão no topo da agenda.

2. A vez dos republicanos investigarem os democratas

No entanto, as eleições de meio de mandato terão um impacto muito além dos círculos de políticas públicas.

Controlar o Congresso significa ter o poder de iniciar comitês de investigação.

Por dois anos, os democratas limitaram a quantidade de escrutínio que a Casa Branca enfrentou e fizeram do ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos EUA em 2021 um foco principal.

Eles entrevistaram centenas de pessoas e realizaram audiências no horário nobre sobre o que aconteceu naquele dia, na tentativa de descobrir o que a Casa Branca de Trump sabia com antecedência e como respondeu. Espera-se que eles publiquem um relatório antes do final do ano.

Mas tudo isso parece prestes a mudar. Os republicanos, que já estão antecipando o controle da Câmara dos Deputados, dizem que fecharão o comitê de 6 de janeiro e iniciarão uma audiência sobre os laços comerciais do filho de Joe Biden, Hunter, com a China.

Eles também querem analisar as políticas de imigração do governo Biden, a retirada dos EUA do Afeganistão e as origens da pandemia de coronavírus na China.

Se os republicanos também assumirem o controle do Senado dos EUA, espera-se que o processo para aprovar as pessoas escolhidas por Biden para trabalhar nos tribunais federais e nas principais agências governamentais seja paralisado.

3. O futuro de Joe Biden

As eleições de meio de mandato são normalmente consideradas um referendo em relação aos dois primeiros anos de um mandato presidencial - com o partido no poder muitas vezes levando uma surra.

Os índices de aprovação de Biden estão ruins há mais de um ano.

E a alta inflação e as preocupações com a economia se reafirmaram na reta final da campanha, deixando os democratas com uma batalha difícil para manter as duas câmaras do Congresso.

Em seus dois primeiros anos como presidente, Biden impulsionou novas leis sobre mudança climática, controle de armas, investimento em infraestrutura e pobreza infantil, apesar de sua estreita maioria no Congresso.

Se uma dessas câmaras mudar para os republicanos, no entanto, eles teriam o poder de impedir que os projetos de lei democratas fossem aprovados pelo Congresso, gerando um impasse.

Joe Biden
Os índices de aprovação de Biden estão ruins há mais de um ano

Uma noite ruim para os democratas seria rapidamente interpretada como um sinal de fraqueza política de Biden - e poderia renovar os pedidos para que Biden se afaste de outro democrata quando a temporada de campanha presidencial de 2024 começar.

O presidente e seus assessores insistem que ele buscará a reeleição, no entanto - e destituir um presidente em exercício em uma eleição primária (quando candidatos do mesmo partido disputam a indicação) aconteceu apenas uma vez na era política moderna.

4. Trump voltará a disputar a presidência?

Ao contrário de presidentes derrotados recentemente, Trump não deixou a política em silêncio.

Ele parece ainda ter interesse em retornar à Casa Branca em 2024 - e as eleições de meio mandato podem fortalecer ou frustrar suas esperanças. Enquanto ele não está na cédula, dezenas de seus candidatos escolhidos estão disputando corridas de alto nível nos EUA.

O ex-presidente conseguiu elevar alguns candidatos ao Senado, como o ex-jogador de futebol Herschel Walker na Geórgia, o médico de televisão Mehmet Oz na Pensilvânia e o autor populista JD Vance em Ohio, sobre políticos republicanos mais tradicionais, apesar das objeções de líderes republicanos mais velhos.

Se eles vencerem, isso pode provar que seu instinto político é afiado - e que seu tipo de política conservadora tem apelo nacional. Mas se os republicanos falharem no Congresso, e por causa do fracasso dos candidatos não convencionais escolhidos a dedo por Trump, o ex-presidente pode levar a culpa.

Tal resultado aumentaria as esperanças dos rivais presidenciais de Trump dentro do partido. Tanto o governador da Flórida, Ron DeSantis, quanto o governador do Texas, Greg Abbott, concorrem à reeleição em novembro e podem usar os resultados como trampolim para sua própria campanha para ganhar a indicação republicana em 2024.

5. O futuro dos'negacionistas das eleições'

As eleições de meio de mandato de 2022 serão as primeiras eleições federais desde o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos EUA, quando os apoiadores de Trump tentaram impedir que a vitória eleitoral de Joe Biden fosse certificada.

Longe de ser castigado pelo tumulto, Trump continuou a questionar os resultados daquela eleição e apoiou ativamente os candidatos republicanos que dizem que a vitória de Trump foi roubada deles.

Muitos desses candidatos, como os indicados a secretário de estado Mark Finchem no Arizona e Jim Marchant em Nevada e o candidato a governador Doug Mastriano na Pensilvânia, estão concorrendo a cargos onde terão pelo menos algum controle sobre os sistemas eleitorais de seu estado antes da eleição presidencial de 2024.

Esses políticos, se eleitos, podem se recusar a certificar resultados eleitorais de seu estado em uma eleição apertada.

Eles também podem ingressar com ações judiciais contra localidades com base em alegações de corrupção eleitoral, ou promulgar novas regras e regulamentos restringindo certos métodos de votação, como por correio ou por meio de urnas.

Em 2020, sob pressão de Trump para reverter alguns dos resultados, os titulares de cargos republicanos em vários estados se recusaram a ceder às suas exigências.

Daqui a dois anos, se ocorrer uma eleição similarmente contestada, o resultado desses tipos de desafios pode ser bem diferente.

- Este texto foi originalmente publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-63533522